Publicado 28/04/2021 - 11h57 - Atualizado 28/04/2021 - 12h04

Por Gilson Rei/ Correio Popular

Com a flexibilização das medidas de restrição contra o coronavírus, o movimento no Shopping Iguatemi foi bastante intenso ontem, e a tendência é aumentar nos próximos dias

Ricardo Lima/ Correio Popular

Com a flexibilização das medidas de restrição contra o coronavírus, o movimento no Shopping Iguatemi foi bastante intenso ontem, e a tendência é aumentar nos próximos dias

O início do toque de recolher em Campinas foi alterado para as 21h pela Prefeitura para atender a um pedido do setor comercial. Desde ontem, as lojas passaram a funcionar em horários diferentes que serão mantidos até sexta-feira, dia 30. O período de oito horas de atividade continua. Como os shoppings vão poder funcionar até 20h, a Prefeitura decidiu alterar o horário de início do toque de recolher, passando das 20h para as 21h.
A alteração foi apenas nos horários de abertura e fechamento do comércio, conforme o tipo de atividade e a localização. Segundo o decreto municipal, publicado ontem no Diário Oficial do Município, todas as atividades comerciais e serviços devem respeitar 25% da capacidade de atendimento. Os estabelecimentos devem continuar mantendo todas as medidas sanitárias, dentre elas o distanciamento e o uso de máscara e álcool em gel.
O setor de comércio e serviços no Centro e nos bairros, incluindo quiosques de rua, galerias e estabelecimentos do mesmo gênero vão funcionar entre 10h e 18h até sexta-feira, uma antecipação de uma hora na abertura e no fechamento. Já os shoppings da cidade vão abrir e fechar uma hora mais tarde, também até sexta-feira, podendo atender a população entre 12h e 20h.
Restaurantes, atividades culturais e cursos podem funcionar das 11h às 19h, destacando que estes tipos de estabelecimentos que funcionam dentro dos shoppings deverão seguir o horário do shopping.
Aprovação
Sanae Murayama Saito, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Campinas e Região (SindiVarejista), aprovou a medida. "Esse horário com a abertura um pouco mais cedo é bom para o comércio de rua, principalmente na região central onde há um maior fluxo de pessoas desde as primeiras horas do dia que desembarcam no Centro a caminho de outros bairros. Esta é uma oportunidade de atender o consumidor por oito horas começando na parte da manhã até as 18 horas", disse. "Irá também contribuir em menos aglomerações", comentou.
Para o comércio nos shoppings, Sanae também apontou vantagens. "A mesma coisa podemos dizer em relação aos shoppings. Faz muito mais sentido as lojas abrirem do meio-dia até as 20h, que já é o horário adotado aos domingos e feriados. Esses horários são os que melhor se encaixam à realidade do comércio nessas condições", disse.
A Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic) apoiou a mudança feita e ainda reforçou que era um pedido dos comerciantes. "A antecipação do horário de funcionamento do comércio no Centro atende a um pleito da Acic e demais entidades representativas do comércio, apresentado à prefeitura, a partir de reivindicações dos próprios lojistas", informou Zulmiro José Furlan, segundo vice-presidente da Acic.
Segundo Furlan, foi um ajuste adequado ao momento. "As características de cada região e o tipo de estabelecimento devem ser considerados nesta fase de transição, a fim de tentar diminuir os prejuízos amargados. Nesta fase que antecede ao Dia das Mães, uma data importante para o setor, a abertura do comércio de rua mais cedo, às 10h, e o fechamento às 18h, certamente terão impactos positivos em especial para as lojas localizadas na região central, uma vez que, historicamente, o maior movimento no Centro é verificado no período das 8h às 18h e, após esse horário, se reduz de maneira exponencial", justificou.
Laerte Martins, economista da Acic, reforçou que a medida deve provocar um acréscimo nas vendas. "De maneira geral, a adoção de turnos diferentes e mais adequados a cada tipo de comércio, tanto de rua como nos shoppings, deve elevar em 1,5% as vendas atuais", avaliou o economista.
Bares e restaurantes pedem para funcionar até as 20h
No caso dos bares e restaurantes, os representantes de Campinas e região da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), informaram que o ideal seria a abertura até as 20h, independentemente de ser em shopping ou em outra localidade. Em nota, a entidade informou que houve uma solicitação na semana passada à Prefeitura para a ampliação do horário de atendimento até às 20h.

A nota diz: "O pedido foi reiterado nesta semana para a secretária de Desenvolvimento Econômico, Adriana Flosi, que informou que seria alterado. Porém, a Abrasel aguarda ainda a resposta da Prefeitura". Vale lembrar que a mudança feita ontem pela Prefeitura prevê fechamento de bares e restaurantes às 19h, excluindo-se os estabelecimentos dentro de shoppings, que poderão fechar às 20h.
Médico condena abertura do comércio
As mudanças de horário no comércio, feitas pela Prefeitura, devem surtir um efeito negativo no controle da pandemia por covid-19, segundo o médico infectologista André Giglio Bueno, do Hospital da PUC-Campinas e Santa Casa de Vinhedo. Na opinião de Bueno, as alterações de horários e outras medidas de flexibilização "induzem a população a um sentimento de volta à normalidade".
O infectologista disse que o momento ainda é crítico nos leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) em Campinas. "A flexibilização é precipitada, pois a ocupação dos leitos ainda está em um patamar alto. Qualquer abertura poderá resultar em novas contaminações e internações. É perigoso ter essa sensação de volta à normalidade, que se agrava ainda mais quando autoridades públicas negam que o vírus é altamente contagioso e pode ser fatal", comentou Bueno.

Escrito por:

Gilson Rei/ Correio Popular