Publicado 01/03/2021 - 18h07 - Atualizado 01/03/2021 - 18h14

Por Lucas Rossafa/ Correio Popular

Vini Locatelli leva a melhor diante do adversário, em partida que marcou sua estreia na Ponte Preta

Estadão Conteúdo

Vini Locatelli leva a melhor diante do adversário, em partida que marcou sua estreia na Ponte Preta

A Ponte Preta estreou no Campeonato Paulista com empate diante do Novorizontino, pelo placar de 1 a 1, ontem à noite, no Estádio Jorge Ismael de Biasi.
Moisés abriu o placar a favor da Macaca em contra-ataque fulminante no último lance antes do intervalo, enquanto Murilo Rangel, na etapa complementar, igualou o marcador.
Com o primeiro ponto no Estadual, a Macaca volta a campo na quinta-feira, 04 de março, diante do Santo André, a partir das 19h, no reencontro com o Estádio Moisés Lucarelli.
Primeiro tempo
A Ponte Preta foi dona das principais ações na etapa inicial em Novo Horizonte e explorou a velocidade dos atacantes para bagunçar a defesa rival.
Com 54% de posse de bola e 91% de acerto nos passes, Macaca, bem sólida defensivamente e sem nenhum susto ao gol de Luan Ribeiro, construiu vantagem parcial com autoridade, em confronto marcado por intensa disputa no meio-campo.
O zero só saiu do placar aos 44 minutos, após contra-ataque de manual, originado a partir de uma bola roubada na defesa: Moisés disparou em velocidade, tabelou com Paulo Sérgio, fintou o zagueiro e balançou as redes.
Segundo tempo:
Na etapa complementar, o Novorizontino subiu de produção ofensiva e arriscou mais. No duelo individual entre Luan Ribeiro e Murilo Rangel, o goleiro alvinegro se deu bem no primeiro duelo, porém foi vazado no segundo.
O Tigre igualou o marcador com o meio-campista, ex-Guarani, aos 22 minutos, que aproveitou bola mal afastada depois que a defesa Ponte bateu cabeça em cobrança de lateral.
Na reta final, o confronto ficou marcado pelo equilíbrio, disputa e pouquíssimas chances claras.
Saiu
Uma hora ante de a bola rolar no Jorjão, a Ponte Preta comunicou a saída de Alex Brasil, executivo de futebol, após rescisão amigável.
Contratado na segunda quinzena de dezembro, o ex-responsável pelo Departamento de Futebol se reuniu com o presidente Sebastião Arcanjo no período da manhã e optou pela quebra do contrato, cuja validade era o fim da Série B do Campeonato Brasileiro.
A incompatibilidade de ideias foi o fator preponderante para resultar na rescisão em comum acordo entre as partes no final de semana.

Escrito por:

Lucas Rossafa/ Correio Popular