Publicado 23/02/2021 - 08h20 - Atualizado 23/02/2021 - 08h20

Por AFP


A oposição convocou nesta terça-feira (23) protestos na Geórgia depois da detenção de um de seus principais líderes, em uma operação violenta contra a sede de seu partido, em um país que enfrenta uma crise política desde as eleições legislativas do ano passado.

Nika Melia, líder do principal partido de oposição georgiano, o Movimento Nacional Unido (MNU), foi retirado da sede de sua legenda e está em detenção preventiva, de acordo com imagens do canal de televisão Mtavari.

Centenas de policiais usaram gás lacrimogêneo contra simpatizantes e dirigentes de todos os partidos da oposição que estavam acampados diante do edifício desde a semana passada. Dezenas de opositores foram detidos.

A operação policial aconteceu poucos dias após a renúncia do primeiro-ministro Giorgi Gakharia, na quinta-feira passada.

Gakharia afirmou que tomou a decisão por uma divergência em seu partido a respeito da aplicação da decisão judicial de deter a Melia.

A operação policial provocou a revolta da oposição e uma advertência dos aliados ocidentais desta ex-república soviética.

O líder do partido Lelo, Mamuka Khazaradze, também de oposição ao governo, convocou um "combate pacífico e incansável para defender a democracia georgiana".

"A libertação dos presos políticos e eleições antecipadas representam a única saída possível para a crise", declarou à imprensa.

Em nome dos partidos de oposição, ele convocou protestos diante da sede do governo.

Um dos dirigentes do MNU, Giorgi Pataraia, disse à AFP que a polícia "roubou servidores de computadores" da sede do partido.

Em um comunicado, o Ministério georgiano do Interior afirma que a polícia empregou "força proporcional", assim como "recursos especiais" na operação.

"Chocado com as cenas na sede do MNU esta manhã", escreveu o embaixador britânico Mark Clayton no Twitter.

"A violência e o caos em Tbilisi são as últimas coisas de que a Geórgia precisa neste momento. Apelo às partes para que atuem com moderação, agora e nos próximos dias", completou.

A embaixada dos Estados Unidos afirmou em um comunicado que está "profundamente preocupada" com a detenção de Nika Melia.

"A força e a agressividade não são a solução para resolver as diferenças políticas na Geórgia", completa a nota.

A ordem de detenção de Melia aprofundou uma crise política que afeta a nação do Cáucaso desde as eleições legislativas de outubro.

Escrito por:

AFP