Publicado 13/01/2021 - 09h02 - Atualizado 13/01/2021 - 09h02

Por Maria Teresa Costa


Indicado pelo MDB para integrar o primeiro escalão de governo, o presidente da Setec, Eduardo Roberto Lima Jr, pediu afastamento do cargo ontem para cuidar de sua defesa na ação impetrada pelo vereador Marcelo Silva. O parlamentar sustenta que ele foi condenado em segunda instância por improbidade administrativa e, por isso, não pode exercer função de presidente de autarquia. Lei municipal impede que exerça o cargo, se condenado por órgão colegiado. O episódio traz constrangimento ao governo que acaba de assumir. Dário aceitou o pedido.
Trânsito em julgado
Eduardo Roberto Lima Jr foi condenado em segunda instância, em 2019, quando trabalhava na Câmara de Monte Mor, após denúncia de superfaturamento em serviços de limpeza de veículos oficiais. Lima foi condenado a devolver R$ 20,7 mil aos cofres públicos, a perda de função pública e direitos políticos suspensos por cinco anos. Ele nega as acusações e afirma que a condenação afastou enriquecimento ilícito, e está recorrendo da decisão. No início da noite, no entanto, pediu afastamento do cargo.
Ameaça
Para a vereadora Paolla Miguel (PT), o ministro Paulo Guedes e o presidente Jair Bolsonaro são uma ameaça ao trabalhador. Ela lembra que no ano passado, a Sony encerrou a fábrica no Brasil e agora a Ford. “Grandes indústrias estão deixando o Brasil depois de anos e anos da mentira de que a coisa iria melhorar “se tirassem a Dilma e o PT”. Só pioramos”, afirmou.
Reforma
A saída da Ford do Brasil, anunciada na segunda-feira, foi comentada também pelo deputado federal com base em Campinas, Alexis Fonteyne (Novo). “Tivemos um século para fazer a reforma tributária e tornar o Brasil um país bom para quem quer produzir. Sem a reforma tributária que implemente um IVA estamos matando a indústria no Brasil”, disse.
Vacina
Deputada estadual com base em Campinas, Valeria Bolsonaro (sem partido) disparou críticas ao governador João Doria (PSDB), sobre a eficácia geral da vacina CoronaVac, de 50,38%, divulgada ontem. “Esse safado deste governador de SP, só pode estar tirando sarro com a população de SP. Todo mundo tem 50% de chance de adquirir a doença através do vírus”, afirmou.
Comissões
A Câmara de Campinas adiou para dia 20 reunião para definir as composições das 22 Comissões Permanentes e da Comissão Especial de Honraria do Legislativo. Os 19 líderes de bancada já foram comunicados pela presidência para que indiquem, até amanhã, de quais comissões a sigla deseja participar, bem como nomes disponíveis para titulares e suplentes.
Junta
O 2º tenente do Exército, Antônio Ananias da Silva, assumiu ontem a chefia da 4ª Delegacia do Serviço Militar de Campinas. Ele estava servindo na Companhia de Comando da 18ª Brigada de Infantaria de Fronteira, em Corumbá (MS). O prefeito Dário Saadi, que preside a Junta Militar de Campinas, participou da cerimônia. A unidade é responsável pelo processo de alistamento e dispensa do serviço militar obrigatório para jovens que completam 18 anos.
Retorno às aulas
A previsão de retorno às aulas presenciais na rede municipal de Campinas em 8 de fevereiro já provoca questionamentos, o principal deles é de que esse retorno não foi debatido com a comunidade escolar. O plano prevê que a volta ocorra com 50% da capacidade das salas e permanência de três horas diárias. Creches para crianças de até três anos não retornam. O vereador Gustavo Petta (PCdoB) disse que está preocupado com a data, porque a curva de transmissão da Covid voltou a crescer. Ele pediu reunião com o secretário de Educação, José Tadeu Jorge, e quer fazer um debate público sobre o tema.

Escrito por:

Maria Teresa Costa