Publicado 13/01/2021 - 09h02 - Atualizado 13/01/2021 - 09h02

Por


Tanto quanto eu, a julgar pelas mensagens e e-mails que recebo, tem muito mais gente intoxicada com os "donos da verdade". Este sentimento foi fertilizado pela reação do Donald Trump ao insucesso e derrota que sofreu. Na sua visão, no que pese todos quantos o aconselharam, o que é verdade é o que ele acredita.
A ele se aplica o ditado atribuído a Joseph Goebbels, ministro da propaganda de Hitler: "uma mentira repetida mil vezes se torna verdade". De tanto repetir que a eleição foi fraudulenta e que a vitória lhe foi roubada, isto passou a ser verdade. O que estranha é que uns 20% acreditam piamente no que ele diz. O problema é que esta estratégia foi anunciada com antecedência, tentou-se provar a veracidade dela com factoides e insinuações de que mortos votaram, teve mais votos que eleitores, que os votos por correio eram uma forma de fraudar etc. Votos foram recontados, a justiça escrutinou tudo e sentenciou: não houve fraude!
Não foi o suficiente. Ele insuflou a horda que acredita em teorias da conspiração para invadir o Capitólio e tentar um golpe de Estado. Não deu certo. Ainda vai tentar alguma loucura, porque continuar acreditando em fraudes, depois de tudo o que se fez em averiguação, só pode ser loucura.
Ontem me mandaram um áudio de uma mulher não identificada, que teria ido a uma ginecologista não identificada, que lhe teria dito que a Coronavac tem elementos que permitem rastrear as pessoas e que isto vai habilitar a Inteligência Artificial a nos manipular. Para desatino maior, informa que quem patrocina isto é o Bill Gates. Quem enviou a mensagem dizia que por isto não tomaria a vacina. Perguntei à pessoa por que não usavam o paracetamol, a dipirona, que todo mundo toma como analgésico, para infiltrar o tal rastreador que permite a manipulação. Estou aguardando resposta.
Tenho chegado à conclusão de que é mais fácil lidar com o diferente do que com o ignorante. Contra a ignorância perde-se tempo usando argumentos. Como disse uma pessoa acerca de seu pai: "ele só ouve quem diz sim a tudo o que ele fala".
Um dos líderes da invasão do Capitólio é Jake Angeli, também conhecido como Q-Shaman, ativista do grupo que divulga teorias conspiratórias, entre eles o QAnon. Este grupo dissemina e acredita que o Trump está salvando o mundo de uma rede internacional de pedofilia e um dos manifestantes no topo da escada do Capitólio empunhava um cartaz que afirmava que o Biden é pedófilo. A imprensa séria americana tem chamado a estes manifestantes de milicianos e terroristas domésticos.
Como brasileiros, não estamos livres desta praga. Tem gente disposta a ficar retuitando e disseminado estas teorias sem-pé-nem-cabeça, especialmente contra as vacinas para a Covid, mas nada falam dos feminicídios, das rachadinhas, não explicam cheques depositados na conta de esposa, afirmam ter havido fraude nas eleições com voto eletrônico, sem apresentar provas e documentos. Só ouvem o que querem ouvir.
Vivemos tempos de colher os frutos de uma educação onde precisava só preencher quadrinhos com um X, em múltipla escolha. Contrariando a premissa de que a explicação mais simples tem maior probabilidade de ser a correta, preferem optar pela mais extensa, porque lhes parece que a verdade é feita de muitos argumentos, mesmo que desconexos ou ilógicos.
Marcos Inhauser é teólogo, pastor da Igreja da Irmandade e educador corporativo

Escrito por: