Publicado 23/01/2021 - 15h25 - Atualizado 23/01/2021 - 15h28

Por Lilian de Souza/ Correio Popular

Jovem, no centro de Campinas protege o rosto; expans?o da pandemia do Corona v?rus poder? levar ao uso de m?scaras no conv?vio familiar

Importação

Jovem, no centro de Campinas protege o rosto; expans?o da pandemia do Corona v?rus poder? levar ao uso de m?scaras no conv?vio familiar

Com altos números de mortes e casos, UTIs e enfermarias à beira do colapso, Campinas regrediu ontem da Fase Amarela, menos restritiva, para a Fase Laranja do Plano SP e voltará para a Fase Vermelha, a mais restritiva, em todas as noites e aos finais de semana a partir de segunda-feira, conforme decisão do governo estadual.
A situação é tão preocupante que o prefeito Dário Saad (Republicanos) e o secretário de saúde de Campinas, Lair Zambom, fizeram apelos à população e alertaram para o risco de contaminação entre familiares que moram na mesma casa, durante uma live realizada nesta sexta.
"Hoje foi levantada uma conduta que ainda não tinha sido mencionada até agora. Que é a preocupação do contágio dentro dos domicílios. Se alguma pessoa esteve em alguma situação em que acha que foi exposta, como uma festa, é importante que ela use máscara mesmo em casa", afirmou Lair Zambom. "Essa preocupação que não estava sendo cogitada sobre o uso de máscara em domicilio, começa a ser falada, o que do ponto de vista social começa a complicar muito mais a nossa vida."
O prefeito Dário Saad complementou: "Estamos observando muitos casos de pessoas da mesma família que foram infectadas pelo coronavírus e tem no histórico uma pessoa que teve um comportamento inadequado. Alguém que foi à uma festa, que saiu sem máscara. Isso tem sido verificado com muita frequência."
Ontem, 206 dos 239 leitos de UTI para pacientes com Covid-19 estavam ocupados. Do total, 107 são públicos e entre eles apenas quatro estavam livres. E nas enfermarias, que segundo a prefeitura tem registrado o aumento exponencial de ocupação, na sexta-feira pela manhã, pela primeira vez, entre os 123 leitos da rede municipal, apenas dois estavam disponíveis.
Campinas já registra 1.595 mortes causadas pela doença.
Plano SP
Com a regressão da fase laranja para amarela, Campinas não pode, por exemplo, ter a abertura de bares a partir de segunda. Restaurantes, shoppings e o comércio poderão funcionar entre 6h e 20h, com 40% da capacidade de atendimento. Já as escolas particulares, que tinham previsão de início das aulas também na segunda-feira, poderão atender apenas 35% dos alunos na forma presencial. Na rede municipal e estadual o retorno está previsto para o dia 8 de fevereiro.
Já na fase vermelha, que vai valer a partir das 20h e durante todo o final de semana, apenas serviços essenciais podem funcionar, como farmácias, mercados, padarias, açougues, etc. As medidas valem até o dia 7 de fevereiro.
Para a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes da Região Metropolitana de Campinas (Abrasel RMC), o fechamento do comércio deve agravar ainda mais a situação de bares, restaurantes e padarias e calcula que centenas de estabelecimentos do setor podem fechar, gerando novas demissões, por conta das imposições de abertura e queda no faturamento. Para a entidade não há critério ou comprovação científica de que estes locais sejam transmissores do vírus. Segundo levantamento da associação, de março de 2019 até o momento, cerca de 4,2 mil bares e restaurante - 80% deles de pequenos empresários - fecharam as portas e 15 mil pessoas foram demitidas na RMC. "Sucessões de erros do Estado não freiam a pandemia e matam as empresas e empregos", afirma a Abrasel em nota.
A ACIC, se manifestou que entende a necessidade das medidas mais restritivas, mas vê com apreensão o fato de Campinas retroagir para a Fase Laranja, nos dias úteis, e Vermelha, aos finais de semana, com redução da capacidade de público e de horário.

Escrito por:

Lilian de Souza/ Correio Popular