Publicado 13/01/2021 - 17h21 - Atualizado 14/01/2021 - 09h03

Por Da Agência Anhanguera

Dos 226 leitos exclusivos para pacientes com Covid-19 nas redes pública e particular, 180 estavam ocupados ontem: pressão sobre o sistema

Cedoc/RAC

SUS ontem disponibilizou 74 leitos, dos quais 67 estavam ocupados, um índice 90,54%; Já na rede particular, havia 139 leitos para Covid sendo que 102 deles estavam com pacientes

Numa tentativa de enfrentar a forte alta na demanda, a Secretaria de Saúde de Campinas informou ontem que vai ampliar a oferta por leitos Covid-19 na cidade. O órgão garante que, além dos 74 leitos já disponibilizados, a rede municipal passará a contar a partir de hoje com mais 10 leitos UTI Covid da Irmandade Santa Casa. Além disso, mais dois leitos do Hospital Celso Pierro da PUC-Campinas serão incorporados à rede a partir de amanhã. Ontem foi mais um dia de pressão. 
Campinas contava com 230 leitos de UTI exclusivos para pacientes com Covid-19 nas redes pública e particular. Deste total, 186 estavam ocupados, o que corresponde a 80,87% de ocupação geral. O problema maior, no entanto, estava na rede pública. A exemplo do que vem ocorrendo desde o início da semana, o SUS Estadual – Hospital de Clínicas da Unicamp – esteve ontem com 100% de ocupação. Todos os 17 leitos disponíveis estiveram ocupados.
Na Rede SUS Municipal foram disponibilizados 74 leitos, dos quais 67 estavam ocupados – um índice 90,54% de ocupação. Já na rede particular, havia ontem 139 leitos para pacientes Covid, dos quais 102 estavam ocupados, o que equivale a 73,38% de ocupação.
A Secretaria de Saúde confirmou mais sete mortes por Covid-19 em Campinas ontem. Com isso, a cidade atingiu 1.536 óbitos provocados pelo novo coronavírus. Outros 13 óbitos suspeitos ainda estão sob investigação pelos técnicos da saúde.
Além de mais sete mortes, a cidade registrou também, 571 novos casos da doença entre os boletins de ontem e o de terça-feira. Assim, Campinas contabiliza 54.633 pessoas infectadas pelo vírus desde março, quando foi registrado o primeiro caso local. Outros 599 casos suspeitos estão sendo investigados.
De acordo com a secretaria, 229 pessoas estão internadas com Covid-19 e outras 404 estão em isolamento domiciliar. Segundo o órgão, a cidade tem hoje 52.404 pessoas que contraíram a doença, mas conseguiram se recuperar.
Das vítimas fatais – duas mulheres e cinco homens – três não tinham comorbidades, ou seja, não tinham doenças pré-existentes. Apenas uma dessas vítimas tinha menos de 60 anos. Trata-se de um homem de 57 anos, que morreu no dia 11 em um hospital público. Ele estava no grupo que tinha comorbidades.
HC Unicamp
A suspensão das internações no Hospital de Clínicas (HC) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) completou três dias ontem. Desde a última segunda-feira, por conta da superlotação, a direção do hospital suspendeu o acolhimento de pacientes encaminhados à instituição pela Central de Regulação de Vagas; pelas concessionárias, pelo SAMU, Resgate e Águia.
A Unicamp conta com 34 vagas de UTI não Covid e 17 de UTI Covid, todos ocupados. Além disso, as enfermarias também estão lotadas, segundo a instituição. Por isso, decidiu suspender novas internações, na última segunda-feira. A medida entrou em vigor a partir das 18 horas e deveria durar por 24 horas, quando foi feita nova avaliação da situação. Como a lotação permaneceu, a medida foi mantida, segundo a assessoria de imprensa.
A direção decidiu ainda, restringir as internações das cirurgias eletivas. Esse tipo de procedimento não é considerado de urgência e normalmente os pacientes são internados no dia anterior à cirurgia. O HC informou, porém, que as cirurgias eletivas de pacientes que já estavam internados nesta segunda-feira seriam mantidas.

Escrito por:

Da Agência Anhanguera