Publicado 14/01/2021 - 15h10 - Atualizado 14/01/2021 - 15h10

Por AFP


Uma missão da Organização Mundial de Saúde (OMS) chegou à China nesta quinta-feira(14) para investigar as origens da pandemia, enquanto seu comitê de emergência se reuniu em Genebra para analisar as novas variantes do coronavírus, que preocupam as autoridades de todo o mundo.

Como em quase todo o planeta, o ressurgimento do vírus atinge também a China, que anunciou nesta quinta-feira a primeira morte por covid-19 desde maio passado, apesar de parecer ter erradicado a pandemia.

A morte ocorreu na província de Hebei, na fronteira com Pequim, onde as autoridades confinaram vários milhões de pessoas de diferentes cidades nestes dias, após o surgimento de novos focos.

As autoridades de saúde chinesas anunciaram 138 novos casos em 24 horas, o maior balanço diário desde março passado.

A má notícia coincide com a chegada, nesta quinta-feira, a Wuhan, cidade do centro da China onde o vírus foi detectado pela primeira vez em dezembro de 2019, de uma equipe de especialistas da OMS para investigar a origem da epidemia.

Os membros desta missão devem respeitar duas semanas de quarentena. Dois de seus membros ainda estão bloqueados em Singapura para passar pelo teste para covid-19 novamente.

A visita é muito delicada para as autoridades chinesas, que querem se desvincular de qualquer responsabilidade nesta pandemia, que já custou quase dois milhões de vidas em todo o mundo.

Paralelamente, o comitê de emergência da OMS se reuniu com urgência nesta quinta-feira para analisar as mutações do vírus causador da covid-19, inicialmente detectado no Reino Unido e na África do Sul, que são especialmente contagiosas e se espalham rapidamente.

"Duas questões urgentes" centraram a reunião, segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus: "A primeira é o aparecimento recente de variantes do vírus SARS-CoV-2, e a segunda é o uso potencial de certificados de vacinação e de testes para viagens internacionais ".

As recomendações para a OMS e países membros estão programadas para serem divulgadas no final da reunião, provavelmente na sexta-feira.

A variante detectada inicialmente no Reino Unido já foi localizada em 50 países, e a África do Sul, em 20, segundo a OMS. A instituição afirma que esse balanço provavelmente está subestimado.

Outra mutação, originária da Amazônia brasileira, cuja descoberta foi anunciada pelo Japão no último domingo, está sendo analisada e pode ter impacto na resposta imunológica, afirma a OMS, que fala em uma "variante preocupante".

Diante do pior surto de casos e do pior balanço da Europa, com 85 mil mortes, o Reino Unido voltou a confinar sua população, em meio à propagação da variante do vírus muito mais contagiosa. Nas últimas 24 horas, o país registrou 1.564 óbitos, o pior resultado desde o início da pandemia.

Na Espanha, que registrou nesta quarta-feira 39 mil novos casos, a situação é de "risco extremo", segundo a ministra da Política Territorial, Carolina Darias.

Escrito por:

AFP