Publicado 31/12/2020 - 14h55 - Atualizado 31/12/2020 - 14h55

Por


Começo com uma pergunta: você lembra onde estava dia 31 de dezembro de 2019?
Muitos responderão afirmativamente com detalhes, outros com uma vaga lembrança, mas todos certamente estavam convictos de estar concluindo mais uma etapa da vida, simbólica e gregoriana, olhando para o futuro, esperando tempos de renovação e renascimento, visando novos desafios e novas missões.
Quase ninguém prestou atenção a uma notícia, que certamente não foi manchete: na cidade de Wuhan na província de Hubei, na região central da China, foi detectado a presença de um vírus com estrutura em formato de coroa pertencente à família Coronavírus que ganhou o nome oficial de SARS-CoV-2, uma sigla para o nome completo em inglês "severeacuterespiratorysyndromecoronavirus 2".
E assim entramos em 2020, nenhum mago, vidente, astrólogo, numerólogo e demais previu um ano tão devastador como este, clima de guerra, terror e o que é pior: um inimigo invisível.
Esta situação, por si só, elevou o grau de estresse de todos, associado ao fica em casa, distanciamento social, use máscara, álcool gel, fecham-se as escolas, lojas, enfim o mundo parou!
Uma situação apocalíptica, mortes e mais mortes, cenas horríveis mostradas ao vivo de enterros em massa, hospitais lotados e todos trancados em casa à espreita do inesperado. Se para nós foi desesperador, imagina para as crianças, longe dos amigos, das professoras e da sua rotina.
E depois vieram as improvisações e adaptações; aulas on line, delivery, telemedicina, trabalho em home office, sem abraços, sem apertos de mão e por aí vão as novidades.
Que ano inesquecível! Ninguém esperava por obstáculos tão súbitos e impactantes no mundo. Estamos enfrentando não somente uma pandemia, mas também nossos próprios desafios pessoais. Certamente, foi (e continua sendo) uma fase desafiadora para todos. Mas tudo isso também trouxe alguns aprendizados e novas perspectivas. Estamos aprendendo a valorizar as coisas simples da vida.
O simples ato involuntário de respirar, nossa como é bom poder respirar sem restrições, sentir o gosto dos alimentos e o cheiro de uma flor, viver a vida, uma simples caminhada.
Os planos pessoais para 2020 viraram de cabeça para baixo, entretanto, o período de reclusão serviu para repensar a vida e estabelecer novas metas, e como diz o velho ditado, são nesses tempos de crises que crescemos e criamos coragem para encarar novos desafios.
Segundo uma pesquisa feita peloConsumerSurvey, ferramenta do Google, 19% dos brasileiros adiaram para 2021 os planos que tinham e as prioridades para os próximos meses serão: cuidar da saúde (35%), investir meu dinheiro (23%), emagrecer e fazer exercícios (26%), aprender uma nova língua (24%), mudar de residência 29% e este último foi um destaque, com aumento de 30% no comparativo ano a ano e começar a estudar é o planejamento para 19%.
Veja que mudança, sai a loucura do corre-corre, ganhar, gastar e começam novos tempos, onde cuidar da saúde ganha valor, estudar, ter uma casa confortável para viver com a família, comer em casa e não no fastfood, enfim, realmente podemos dizer que estamos resgatando as boas coisas do passado.
E que venha 2021!
Depois desse ano de tanto aprendizado, valorização da vida, entendo que nada mais nos impedirá de seguir com tolerância, generosidade e, acima de tudo, responsabilidade com o nosso próximo, amigos, familiares, amores.
Vamos fazer desta virada de ano um recomeço de tudo que é bom.Um renovar de sentimentos positivos e um renascer de velhos sonhos, adaptados a nossa nova realidade, passo a passo, dia a dia, momento a momento, curtindo novas sensações e afetos, coisas simples que farão a grande diferença.
Feliz Ano Novo!

Escrito por: