Publicado 06/12/2020 - 09h53 - Atualizado // - h

Por


Sim, sim, amigos, o vento, como nos foi tão bem contado no livro e no filme, leva; mas também traz. Com ele, afinal, é que, neste mar da luminosa manhã que faz hoje, navegamos. Na busca dos silêncios que podem ser alaridos, transformados em cânticos do poder, simplesmente, estar vivos. E, em função disso, receber a dádiva de ser feliz.
Mas o vento leva, nas tardes d'Outono, as folhas pelas calçadas desta Chácara da Barra. Nas outras estações, como neste resto de Primavera, sucede o mesmo, mas naquela que vem após os calores do Verão, é como se a partitura de Vivaldi se tivesse corporificado nos galhos que balançam; e no teor do instante cuja tessitura nos pertence.
Foi o vento, de sopros brandos segundo as narrativas do escrivão Caminha, que trouxe Cabral a estas terras que acatam tão bem o doce respirar de brisas. E foi também ele que, em outra circunstância, levou os reis que das terras d'Europa vieram; deixando-nos nos braços desta República na qual permanecemos em busca de dias de glória que, parece, não vão chegar nunca.
É o vento, não a rotina do sol descendo que nos entrega a magia das tardes. É por elas que deslizam as memórias e se solidificam os amores. E é nelas que estão traçados os caminhos pelos quais é tão bom ir, seja nos passos reais sobre as gramas ou calçadas, seja naqueles que, para alguns eleitos, é dado palmilhar entre nuvens de devolução aos encantos.
Faz poucos dias que, trazida pelos sopros de ventinhos de esperanças ressuscitadas, chegou a mim certa moça que eu não via desde dezembro do ano passado. E revê-la foi, em si mesmo, para este pobre ser perdido entre o céu e a terra, uma composição de cânticos. Pude então constatar que permanecem em seu sorriso os primeiros, e por isso mesmo mais importantes, brilhos tímidos das auroras; e que suas mãos ainda retêm gestos que fazem parte da essência noturnamente acariciante das estrelas. E que é ela, em si, a conjunção das imponderabilidades que brilham; e ponderabilidades que esculpem, aos meus olhos burilados por tantas belezas, seu charme de linda mulher.
As descobertas de minhas intimidades com os ventos começaram no grande casarão de madeira, numa ilha do rio Tocantins, mar larguíssimo na Amazônia profunda, onde nasci. Sentado no jirau, certa manhã, vejo surgir, lá longe, no caudal imenso, uma vela azul. Com a proximidade, observo que sua forma, bojuda no instante, era esculpida pela brisa forte, que também tufava, na proa, o pano menor da bujarrona. Daí em diante passei a viver, em certas horas, a emoção de ver as vigilengas, barcos que só os rios amazônicos abrigavam, impulsionados pelos ventos; tanto quando chegavam, como quando partiam.
Depois, em muitas madrugadas, fui me encantando com o que via as leves brisas criar nas neblinas que cobrem, em horas quase amanhecentes, a superfície do rio cada vez mais largo na medida em que se aproxima do mar; que, com sua força, lhe concede marés. O soprar, quase imperceptível, desenhava figuras nas névoas. Ali, uma espécie de rosa, tênue, porém plena de pétalas nítidas. Adiante, um rosto, ou o confortante contorno de asas de pássaros. Que, de repente, ao primeiro raio da aurora, se disolviam. Para só então liberar a correnteza ao passar dos botos e pirararas.
Mas foi, afinal, numa noite de chuva, que a grandeza do vento e seus sortilégios me marcaram para sempre. Eu diria que é um instante mágico aquele em que borrascas se transformam em temporais. As rajadas de água batem com fúria em tudo que cobre o mundo, e o barulho dela a açoitar galhos e troncos completa a partitura na qual os trovões e raios compõem o toque de uma percussão que ecoa do infinito.
Pois nessa noite, encolhido a um canto do aposento com o avô e a avó sentados nas varandas de suas redes, começou o uivo. Era como se algum animal, em algum lugar da mata que nos cercava, estivesse a gemer açoitado por forças desconhecidas. Pergunto ao velho, com alguma timidez, o que era aquilo.
- É a fúria do vento – ele me diz – passando entre os vãos do telhado e dos galhos das seringueiras.
- Pensei que fosse algum bicho – murmuro.
- O vento é assim – o velho torna – pode gritar como um bicho. Mas não se preocupe, pois às vezes ele fica mais suave. E canta.
- Como um passarinho? – Levanto a cabeça.
- Sim – ele termina – como um passarinho...

Escrito por: