Publicado 23/12/2020 - 06h00 - Atualizado 22/12/2020 - 15h09

Por Do Correio

Torcida comemora na Francisco Glicério

Reprodução

Torcida comemora na Francisco Glicério

GUARANI RECONQUISTA A "TAÇA DOS INVICTOS"
No Campeonato Paulista da Divisão Especial que ontem se encerrou, o Guarani das vinte partidas disputadas conheceu apenas duas derrotas. Ambas ocorreram no primeiro turno, ante o América, em São José do Rio Preto e diante do Noroeste, em Bauru. Depois daqueles resultados negativos que interromperam uma boa série invicta, o Bugre firmou de tal modo a não mais perder, passando por todos os seus adversários, quer dentro como fora de seus domínios. Como consequência dessa explêndida campanha, na noite de ontem, ao empatar com o Paulista, sem abertura de contagem, marcou a sua 12ª partida invicta, com esse resultado, o Bugrão-70 conquistou não apenas o título de Bi-Campeão do "Paulistinha", como também reconquistou a "Taça dos Invictos".
 
NÃO HAVERÁ ABONO, MAS SIM AUMENTO
Ao contrário do que foi noticiado por outro jornal da cidade, que precipitadamente tentou passar à frente dos fatos, o prefeito Orestes Quércia não concederá abono ao funcionalismo publico neste ano. Justifica o chefe do Executivo que o erário público não tem condições para o pagamento, e por isso mesmo não poderia autorizar tal medida. Ontem no Gabinete, o comentário era a respeito da notícia divulgada pelo jornal, cuja fonte de informação não parece ser muito digna de crédito, pois no Palácio dos Jequitibás dizia-se que o organismo de imprensa havia decidido pelo prefeito a conceder o abono.
 
STANGL CONDENADO À PRISÃO PERPÉTUA
Franz Stangl, ex-comandante cio campo de concentração da Treblinka, Polonia, foi condenado hoje a prisão perpétua pel., Tribunal de Dusseldorf. O "verdugo de Treblinka" foi acusado do assassínio de cerca de 400.000 judeus. O ex-capitão nazista Franz Stangl, que de 1942 a 1948 comandou o campo de concentração de Treblinka, na Polônia, foi condenado, hoje, a prisão perpétua pelo Tribunal de Dusseldorf. Esta pena, a maior que pode ser aplicada na República Federal Alemã, terá necessariamente que ser transformada em outra menor — como o pediu o parecer cível — com o objetivo de que a Justiça alemã possa transferir ao criminoso de guerra nazista para a Justiça austríaca, que o reclama.

Escrito por:

Do Correio