Publicado 19/11/2020 - 06h32 - Atualizado 19/11/2020 - 06h32

Por


A grande surpresa do dia, ontem, foi a declaração do apoio de Artur Orsi (PSD), quarto colocado nas eleições de domingo, ao candidato a prefeito Dário Saadi (Republicanos). Em postagem no Facebook, disse que se decidiu pelo candidato porque é o mais experiente, confiável, ficha limpa e preparado para os desafios de Campinas nesse período de pandemia. Assim que publicou na sua página oficial no Facebook o apoio ao candidato do Republicanos, mensagens começaram a ser postadas. Muita gente ficou brava e decepcionada.
PSD vai junto
Embora Orsi tenha dado apoio pessoal, o PSD seguirá com Dário. O presidente do partido, Guilherme Campos, disse que o processo democrático levou dois candidatos ao segundo turno e que era preciso decidir por um. "Nunca nos omitimos e, entre os dois, consideramos Dário o mais preparado", afirmou. A aliança foi costurada pelo presidente nacional da legenda, Gilberto Kassab, que esteve em Campinas na terça-feira para acertar o acordo.
Salário do prefeito
Câmara vota hoje projeto que aumenta em 4,47%, sobre os valores atuais, os salários do primeiro escalão de governo que será empossado em 1º de janeiro. Com o aumento, o próximo prefeito e os secretários municipais receberão R$ 24.965 e o vice-prefeito, R$ 18.723. Esse percentual de reajuste havia sido definido em lei pela Câmara no ano passado, mas foi suspenso por uma liminar da Justiça.
Reforma
Prefeito Jonas Donizette reuniu ontem prefeitos eleitos da Região Metropolitana de Campinas (RMC) para discutir preocupações e caminhos para enfrentar possível queda de receitas no próximo ano.
IBS
A preocupação central dos prefeitos é com a reforma tributária e, entre os pontos, a proposta de criação do Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), que unifica impostos federais, estaduais e municipais, incluindo o ISS, uma das principais receitas da região. O IBS teria alíquota de 25% e, na partilha da receita, o Estado fica com 13%, a União com 10% e municípios com apenas 2%.
Orçamento
Na pauta de hoje da sessão da Câmara, o orçamento de Campinas para 2021, estimado em R$ 6,4 bilhões, valor 4,7% maior que o deste ano de 2020. Vereadores votam a legalidade da proposta que ficará fora de pauta por duas sessões para receber emendas dos parlamentares, o que dará tempo para que o prefeito eleito possa indicar aos vereadores alterações nas destinações de recursos.
Paulínia
Cassado no ano passado por abuso de poder econômico e arrecadação ilícita de recursos na campanha de 2016, o ex-prefeito de Paulínia Dixon Carvalho (PDT) tentou voltar à política este ano e se candidatou a vereador. Teve 67 votos.
Loira
O vereador Antonio Miguel Ferrari, o Loira (DC), que após a cassação de Dixon enfrentou uma batalha jurídica para assumir a prefeitura de Paulínia até a realização de eleições suplementares, não foi reeleito.
Renegociação de dívida
Vereadores de Valinhos aprovaram a renegociação da chamada "dívida do século", que está em R$ 552,5 milhões, resultado de empréstimo feito na década de 90 para obras de saneamento. Atualmente, por conta de uma liminar, a Prefeitura paga R$ 538 mil mensais, mas há risco de decisão cair. Com a renegociação, que será possível graças à edição de uma lei federal, o saldo devedor baixará para R$ 217,4 milhões, permitindo a quitação futura do débito. O valor pago mensalmente será maior. No entanto, a dívida será quitada no longo prazo, algo que hoje seria impossível.
Maria Teresa Costa, jornalista.

Escrito por: