Publicado 16/11/2020 - 05h57 - Atualizado 16/11/2020 - 05h57

Por Maria Teresa Costa


Encerrado o primeiro turno, os vencedores iniciam agora as negociações com os partidos que perderam a eleição, em busca de apoio das legendas para a próxima fase da campanha, que começa hoje e segue até o dia 28, véspera do segundo turno. Os dois candidatos enfrentam pedidos de cassação de seus registros por compra de votos, feitos pelo Ministério Público Eleitoral (MPE). Como uma decisão deve demorar, os candidatos podem ir para o segundo turno sem uma solução.
PDT vai com Dário
O PDT, que concorreu com Hélio de Oliveira Santos, decidiu ontem à noite que apoiará Dário Saadi (Republicanos) no segundo turno. Junto com o PDT, segundo o partido, estarão algumas federações sindicais. A decisão não inclui apoio de Hélio a Dário. Segundo presidente do diretório local, Francisco Soares de Souza, e o vice, Flamínio Maurício Neto, o apoio ocorre porque seu plano de governo é o que mais se aproxima das bandeiras do partido.
Apoios
Os partidos políticos que ficaram fora do segundo turno iniciam discussões internas para decidir quem irão apoiar para prefeito. A coluna falou com várias legendas ontem, e apenas o PDT já tomou decisão.
Orsi
Artur Orsi (PSD) fará teste hoje para Covid-19. Ele amanheceu com sintomas gripais, como febre, dor de cabeça e tosse, e como um colaborador próximo da campanha testou positivo, Orsi ficou em isolamento e não foi votar. Durante a campanha, ele foi flagrado várias vezes sem máscaras.
Mamãe
A candidata à prefeita Alessandra Ribeiro (PCdoB) votou ontem pela manhã num colégio no Jardim Paulicéia e levou a mãe, Maria Alice, junto. “Foi uma campanha desafiadora, mas conseguimos apresentar um projeto transformador para Campinas, com inclusão e diversidade”, disse ela.
Mudança
Pedro Tourinho (PT) foi votar ontem, confiante. Ele afirmou que sua candidatura é a única de mudança na cidade, já que, segundo ele, Dário Saadi e Rafa Zimbaldi, que lideravam as pesquisas de intenções de voto “são uma continuidade do governo Jonas (Donizette)”.
Adversários
Quando votou, ontem, Rafa Zimbaldi disse que as alianças para o segundo turno poderão ser feitas com adversários que também acreditem num novo modelo de gestão pública. “Serão muito bem-vindos”, disse.
Comparação
Dário Saadi assegurou que na campanha do segundo tuno continuará mantendo a comparação com seu opositor em relação ao histórico de cada um e da capacidade de gestão, mostrando o que cada um já fez pela cidade.
Atraso
A demora para atualização dos resultados das eleições de ontem deixou candidatos à beira de um ataque de nervos. A angústia em saber se estavam eleitos ou não formou uma rede em busca de informações, sem sucesso.
Sonhos mais altos
O prefeito Jonas Donizette (PSB) revelou ontem que quer disputar eleição majoritária em 2022, “se for a vontade de Deus e do povo”, mas frisou que terá ainda dois anos pela frente para pensar. Em 2022 haverá eleições majoritárias para presidente e governador, e seus vices. “Estou como aqueles mergulhadores de águas profundas que quando sobem à superfície precisam entrar numa câmara de descompressão. Eu estou assim. Depois de terminado meu mandato, quero reservar um tempinho para minha vida pessoal”, disse ele, que virou avô recentemente.
Maria Teresa Costa, jornalista.

Escrito por:

Maria Teresa Costa