Publicado 25/11/2020 - 10h58 - Atualizado 25/11/2020 - 10h58

Por Da Agência Anhanguera

Unicamp adia em duas semanas início de nova fase

Cedoc/RAC

Unicamp adia em duas semanas início de nova fase

Desde o início do plano de retomada parcial e gradual às atividades presenciais, em 18 de outubro, 3.868 membros da comunidade acadêmica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) foram testados para o novo coronavírus. Destes, apenas 10 tiveram resultado positivo e cumpriram o protocolo de isolamento. Contudo, a universidade decidiu, em decorrência do aumento da transmissão da Covid-19 no Estado, adiar o início do Período 4 de flexibilização, de 30 de novembro para 14 de dezembro. Consequentemente, todas as fases seguintes também estão postergadas em duas semanas. A recomendação segue sendo que as atividades sigam preferencialmente remotas.
No momento, a Unicamp está no período 3 do seu plano de retomada. Nesta fase, são permitidos até 60% dos servidores, até 25% dos alunos de graduação, pós-graduação e extensão e até 25% de crianças atendidas pelo Centro de Convivência Infantil (CECI) e Divisão de Educação Infantil e Complementar (DeDIC). Com a orientação de que todos aqueles que pudessem permanecer em atividade remotas o fizessem, o percentual de servidores que retomaram o trabalho presencial está abaixo do limite máximo e não houve aumento da transmissão da Covid-19 nos campi da instituição.
A coordenadora do Centro de Saúde da Comunidade (Cecom), órgão que atende somente a comunidade acadêmica da Unicamp, Patrícia Asfora Falabella Leme, enfatizou que a vigilância epidemiológica da universidade controla os sintomas de todos que voltaram presencialmente às atividades, através de inquérito de sintomas realizados diariamente no aplicativo Avisu.
O número de pessoas que buscaram o Cecom informando estarem sintomáticas, desde 18 de outubro até o momento, foi de 66.
De acordo com a médica, desde o início da pandemia, o Cecom já testou, por RT-PCR, 9.843 pessoas (dados de 12 de novembro), sendo 4.492 sintomáticos e 5.351 assintomáticos. A testagem em massa é um dos pilares do controle da Covid-19 entre a comunidade universitária.
"Todo protocolo está funcionando, as unidades estão atendendo nosso pedido de só incluir o retorno de pessoas que sejam necessárias para que as atividades acadêmicas ocorram. Está sendo recomendado que as atividades acadêmicas teóricas continuem de forma remota e isso vai persistir no primeiro semestre de 2021", comentou o chefe do gabinete da reitoria, professor José Antônio Rocha Gontijo. "A pandemia está aí, não podemos minimizar. É uma doença extremamente grave. Nenhuma doença que mate 170 mil pessoas pode ser banalizada", acrescentou.
Como ocorreu desde a chegada da Covid-19 no Brasil, a Unicamp tem uma equipe que monitora a evolução da doença diariamente. Qualquer necessidade de revisão do plano de retomada, segundo Gontijo, será levada em conta no sentido de preservar a vida das pessoas.

Escrito por:

Da Agência Anhanguera