Publicado 19/11/2020 - 20h29 - Atualizado 19/11/2020 - 20h30

Por Daniel de Camargo/AAN

Indaiatuba é uma das cidades que estão entre as mais competitivas do País

Cedoc/RAC

Indaiatuba é uma das cidades que estão entre as mais competitivas do País

Duas cidades da Região Metropolitana de Campinas (RMC) — Campinas e Indaiatuba — figuram entre as 10 mais competitivas do Brasil, de acordo com a primeira edição do Ranking de Competitividade dos Municípios, divulgado ontem, pelo Centro de Lideranças Públicas (CLP) em parceria com a startup Gove e com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Elas ocupam a 8ª e 9ª posição, respectivamente.
O estudo considerou as 405 cidades do País com mais de 80 mil habitantes e analisou 55 indicadores. Entre eles, taxas de investimento, de matrículas escolares e de mortalidade, cobertura de abastecimento de água, formalidade no mercado de trabalho e acesso à telefonia.
Os indicadores são organizados em três dimensões (instituições, sociedade e economia) e 12 pilares, como qualidade e acesso à saúde e educação, segurança, saneamento e meio ambiente, inserção econômica, sustentabilidade fiscal e funcionamento da máquina pública. Por ser a primeira edição do ranking, ainda não há base de comparação para saber quais foram as regiões que apresentaram melhora ou piora de um ano para o outro.
No geral, Campinas recebeu nota 59,32 e Indaiatuba, 59,20. Já para instituições, Indaiatuba obteve nota 69,42, que lhe rendeu a 7ª colocação, enquanto Campinas ficou na 97ª posição com nota 61,13. Na qualificação para a sociedade, Indaiatuba também levou a melhor, registrando nota 75,54 e o 11º posto. Para esse quesito, Campinas aparece na 36ª colocação com nota 72,27. Contudo, Campinas se saiu melhor na dimensão econômica, ocupando a 10ª posição com nota 44,62, ante o 43º lugar de Indaiatuba, que contabilizou nota 36,87.
Além de Campinas e Indaiatuba, outros quatro municípios paulistas aparecem entre os 10 melhores colocados, como o caso de Barueri, que lidera o ranking. Os outros são: São Caetano do Sul (2º), São Paulo (3º) e Santos (7¿). As colocações restantes entre os destaques ficaram com as capitais Florianópolis (SP), Vitória (ES) e Porto Alegre (RS), que ocupam a 4ª, 6ª e 10ª posições, respectivamente.
Outros municípios
Apesar de não terem ficado entre os 10 mais competitivos do Brasil, outros municípios da RMC se destacaram. Na dimensão sociedade, pilar qualidade de saúde e indicador mortalidade materna, Americana aparece na 2ª colocação com nota máxima (100), mesma pontuação de Altamira (PA), Araçatuba (SP), Araguari (MG) e Arapongas (PR), que ocuparam a 1ª, 3ª, 4ª e 5ª posições, respectivamente. Neste e em outros casos de empate com nota máxima, as colocações foram definidas com critério de ordem alfabética. Já no indicador mortalidade por causas evitáveis, aparecem Indaiatuba, Valinhos e Paulínia, no 1º, 2º e 5º lugares, respectivamente. As notas foram sequencialmente 100; 99,69 e 96,26.
Já no pilar qualidade da educação, Itatiba é o único município da RMC entre os melhores no que diz respeito ao indicador relacionado ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). No Ensino Fundamental (Anos Iniciais), ficou na 5ª colocação com nota 81,25; já no Ensino Fundamental (Anos Finais) em 3º com nota 85, mesma colocação no Ensino Médio, em que registrou nota máxima, junto com outras quatro cidades. Já no indicador ligado ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), Valinhos ocupa o 4º lugar com nota 95,23.
No pilar segurança, Valinhos ficou em 2º lugar no indicador mortalidade de jovens por razões de segurança, com nota 98,83. Já no pilar saneamento e meio ambiente, o destaque é de Americana. No indicador cobertura de abastecimento de água, a cidade atingiu nota máxima e ficou em segundo pelo critério de ordem alfabética, mesma regra que a colocou na liderança do indicador cobertura da coleta de esgoto.
Paulínia, por sua vez, lidera com nota máxima o indicador referente ao produto interno bruto (PIB) per capita do pilar inovação e dinamismo econômico na dimensão econômica. E está na 3ª posição do indicador renda mínima do trabalho formal, com nota 71,15.
No pilar das telecomunicações, ficou com a 4ª posição no acesso de telefonia móvel 4G, com nota 96,83. Já Valinhos foi 3º nos acessos de banda larga de alta velocidade, com nota 97,08.

Escrito por:

Daniel de Camargo/AAN