Publicado 07/11/2020 - 11h23 - Atualizado 07/11/2020 - 11h26

Por Maria Teresa Costa

Ahmed Tarique (PMN) é candidato a prefeito de Campinas

Divulgação

Ahmed Tarique (PMN) é candidato a prefeito de Campinas

O presidente do Partido da Mobilização Nacional (PMN) de Campinas, Ahmed Tarique, que é candidato a prefeito, ingressou com pedido na Justiça Eleitoral para ser admitido como assistente da promotoria na representação em que a promotora Simone Rodrigues Horta Gomes pede a cassação do registro da chapa Dário Saadi (Republicanos) como prefeito e Wanderlei Almeida (PSB), vice.
A representação requer a cassação do registro por compra de votos. Segundo a denúncia, Dário teria feito, no dia 26 de setembro, exames médicos gratuitos em um condomínio, o que caracteriza captação ilícita de votos.
O assistente litisconsorcial é aquele que passa a atuar no processo também por ter interesse na sentença. O PMN informa, no pedido, "que se constitui de terceiro interessado em que a sentença seja favorável ao Ministério Público", por se tratar de partido em disputa contra a chapa Dário/Wandão, pois a solução da demanda atinge os interesses de seus candidatos.
Na representação apresentada esta semana, a promotora afirma que houve anúncios em rede social por parte de apoiadores da candidatura de Dário, com aglomeração de pessoas em busca do exame médico gratuito, "tratando-se de agenda de campanha, configurando a conduta vedada disposta em lei". O advogado Marcelo Pelegrini informou que a campanha de Dário segue em frente e que irá se defender no momento oportuno.

Escrito por:

Maria Teresa Costa