Publicado 21/10/2020 - 07h33 - Atualizado 21/10/2020 - 07h33

Por Maria Teresa Costa


Apenas 2% dos recursos arrecadados até agora pelos candidatos a prefeito de Campinas para suas campanhas eleitorais vieram de doações de pessoas físicas. Quem mais conseguiu doação foi Rafa Zimbaldi (PL), com R$ 44,2 mil. No total, contando doações, financiamento coletivo, doação de partidos e recursos próprios, a arrecadação chega a R$ 4,7 milhões. Quem mais investiu recursos próprios até agora foi André Von Zuben (Cidadania), com R$ 115 mil, seguido de Dário Saadi (Republicanos), com R$ 40 mil.
Paulínia tem dois deferidos
A juíza eleitoral de Paulínia, Marta Brandão Pistelli, deferiu o registro das candidaturas de Du Cazellato (PL) e Nani Moura (MDB) para disputar as eleições em novembro. Cazellato foi eleito prefeito em setembro do ano passado, na eleição suplementar ocorrida, após a cassação de Dixon Carvalho. Nani também concorreu à prefeita no ano passado. Para a Câmara de Paulínia, a Justiça Eleitoral deferiu até agora 161 registros de candidaturas — de um total de 294 candidatos.
Candidatura indeferida
A Justiça Eleitoral de Vinhedo indeferiu o registro da candidatura a prefeito de Marco Antonio Eberle (PRTB) porque deixou de apresentar os documentos exigidos pela legislação em vigor e nem se pronunciou sobre a homonímia com o candidato a vice-prefeito Rudolfo Eberle. Ele está recorrendo. A Justiça deferiu os registros dos candidatos a prefeito Edson Florindo Pereira (MDB), Antonio Jadir Prado (Patriota), Marta Leão (PSC), Claudineia Serafim (DEM) e Potiguara Lima (PSOL). A coluna não conseguiu contato com ele.
Prefeito passa mal
O prefeito de Sumaré, Luiz Dalben, passou mal na tarde de segunda-feira e foi levado para uma unidade de pronto atendimento (UPA). Ele teve dor no peito, vômitos, pressão alta e dor abdominal enquanto visitava uma obra. Segundo sua assessoria, ele passará por nova avaliação médica e exames. Os compromissos previstos em sua agenda foram suspensos ontem.
Pagamentos
Câmara de Campinas vota amanhã projeto que autoriza a Prefeitura a suspender, até o final do ano, os pagamentos das contribuições previdenciárias patronais e dos acordos de parcelamentos da dívida ao Instituto de Previdência do Município (Camprev), que somam R$ 93,4 milhões até o final de 2000. Esse valor será pago pelo próximo prefeito, em 2021.
Enfrentamento
A suspensão desses pagamentos pelos municípios que possuem regimes próprios de previdência foi autorizada por lei federal promulgada em junho, como parte do Programa Federativo de Enfrentamento ao novo coronavírus, mas cada cidade precisa aprovar lei específica. Se todos os municípios suspenderem os pagamentos, o impacto financeiro é estimado em R$ 22,1 bilhões.
Gratti
Há meses o vereador Vinicius Gratti (PP) não participa das sessões da Câmara Municipal de Campinas e não atende às ligações. Há boatos de que ele vai desistir de se candidatar à reeleição. Ele integrava o PSB, mas este ano, deixou a legenda.
Empresas-filhas faturam R$ 8 bi
De acordo com a universidade, o mapeamento de 2020 realizado pela Agência de Inovação da Unicamp registrou mais de mil empresas-filhas, como são conhecidos os empreendimentos cujos fundadores têm ou tiveram vínculo com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em sua maioria (92%) por alunos ou ex-alunos da Universidade. Ao todo, foram cadastradas na base da Agência 1.038 empresas-filhas, estando 929 delas ativas e que, nesse último ano, faturaram juntas R$ 8 bilhões e geraram 33.315 empregos.
Maria Teresa Costa, jornalista.
 

Escrito por:

Maria Teresa Costa