Publicado 31/10/2020 - 06h00 - Atualizado 29/10/2020 - 15h16

Por Do Correio

General Sousa Mello, passa em revista

Reprodução

General Sousa Mello, passa em revista

GENERAL DO DEPE VISITOU A ESCOLA PREPARATÓRIA
Para uma visita de inspeção prevista no programa do Departamento de Ensino e Pesquisa do Exército, esteve ontem em Campinas o general-de-divisão Humberto de Sousa Mello, vice-chefe do DEPE, que na oportunidade, travou conhecimento detalhado com a Escola Preparatória de Cadetes do Exército, que prepara-se para o seu próximo exame de seleção com um numero recorde de candidatos, por volta de seis mil. O general Sousa Mello foi acompanhado desde São Paulo pelo oficial de relações publicas da EsPCEx, capitão Carlos Tatton, e aqui em Campinas, esteve hospedado no hotel Términuss onde almoçou e finalmente, rumando para a Escola Preparatória por volta das 14,25 horas, onde foi recebido pelo coronel Rubens Resstel, comandante do 5.o Grupo de Canhões 90 e da Guarnição Militar de Campinas e pelo comandante da ESPCEX, coronel Milton Paulo Teixeira Rosa.
 
GOVÊRNO ESTÁ FIRME NA DEFESA DO REGIME
Completando o seu primeiro aniversário à frente do governo da República, o general Emílio Garrastazu Médici ocupou uma cadeia de rádio e televisão dizendo particularmente que não se dispõe no momento, ou em futuro próximo, a abrir mão de prerrogativas que pela Carta Magna lhe foram conferidas, por quanto as considera imprescindíveis à defesa da própria ordem constitucional. Foi também incisivo o presidente Médici em afirmar que o terceiro governo da Revolução não se desviará do dever, que lhe compete, de reprimir, na salvaguarda de nossas instituições, livres e cristãs, as tentativas de minar ou subverter o regime. Disse ainda o chefe da Ilação que a "democracia de nosso tempo há de ajustar-se, para bem cumprir as suas funções, às exigências da humanização do convívio social e político."
 
MANIFESTAÇÕES HOSTIS A RICHARD NIXON
O presidente Nixon foi apedrejado, ontem à noite, em seu próprio país com tanta violência como há anos passados era Caracas, segundo declarou hoje a própria secretária particular do primeiro mandatário. As manifestações contra Nixon foram registradas em San José, na Califórnia, faltando apenas cinco dias para as eleições legislativas, da próxima terça-feira. Os observadores consideram estas manifestações de hostilidade como as mais graves dirigidas contra um presidente norte-americano, desde o assassinato de John Kennedy, em 1963. Por ocasião da saída de uma reunião eleitoral, Nixon encontrou-se a frente de centenas de manifestantes que protestavam contra a guerra do Vietnã.

Escrito por:

Do Correio