Publicado 17/10/2020 - 20h14 - Atualizado 17/10/2020 - 20h14

Por AFP


O Irã declarou neste domingo (horário local, sábado no Brasil) que o embargo imposto pela ONU às vendas de armas de e para a República Islâmica expirou, conforme o acordo do programa nuclear iraniano de 2015 e a resolução 2231 do Conselho de Segurança.

"A partir de hoje, todas as restrições a transferência de armas, atividades relacionadas e serviços financeiros de e para a República Islâmica do Irã (...) foram automaticamente suspensas", informou o Ministério das Relações Exteriores iraniano em um comunicado.

Pelo acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano, esse embargo, que proíbe principalmente a venda de armas e equipamentos militares pesados ao Irã, expiraria em 18 de outubro.

"Assim, a República Islâmica do Irã pode adquirir as armas e equipamentos necessários de qualquer fonte, sem qualquer restrição legal e exclusivamente com base em suas necessidades defensivas", acrescenta o texto publicado pelo ministério.

Moscou confirmou em setembro que deseja desenvolver sua cooperação militar com Teerã assim que o embargo expirar. A China, por sua vez, não escondeu sua intenção de vender armas ao Irã a partir de 18 de outubro.

De acordo com o comunicado, a República Islâmica "também pode exportar armas defensivas de acordo com suas próprias políticas".

Em agosto, os Estados Unidos tentaram, em vão, que o Conselho de Segurança da ONU prolongasse o embargo e restabelecesse as sanções internacionais contra o Irã retiradas do pacto.

Em maio de 2018, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, retirou unilateralmente seu país do acordo sobre o programa nuclear iraniano, fechado em Viena em 2015.

Trump argumenta - ao contrário das outras partes do acordo, junto com o Irã (Alemanha, China, França, Reino Unido e Rússia) - que esse texto não oferece garantias suficientes para impedir que Teerã se equipar com a bomba atômica. No entanto, o Irã sempre negou querer se munir dessa arma.

ap/cls/bc-jvb/yow/cc

Escrito por:

AFP