Publicado 17/10/2020 - 19h54 - Atualizado 17/10/2020 - 19h54

Por AFP


A polícia israelense informou ter detido várias pessoas que atacaram os manifestantes com gás lacrimogêneo durante os protestos contra o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu neste sábado (17) nas principais cidades do país.

Manifestações contra o primeiro-ministro têm ocorrido todos os sábados desde julho, inclusive em frente à sua residência oficial em Jerusalém, onde vários milhares de pessoas se reuniram neste sábado, de acordo com a imprensa israelense.

Benjamin Netanyahu enfrenta acusações de corrupção e críticas por como seu governo administrou a nova pandemia de coronavírus.

A polícia disse em um comunicado que deteve "suspeitos" em vários lugares, a quem acusou de disparar gás lacrimogêneo contra manifestantes.

A manifestação deste sábado foi a primeira desde que o governo decidiu na quinta-feira suspender as restrições que haviam sido aprovadas no âmbito do confinamento, e que proibiam manifestações a mais de um quilômetro de casa.

O confinamento, o segundo no país desde o início da pandemia, foi imposto em setembro devido ao ressurgimento das infecções.

Neste sábado, os manifestantes agitaram bandeiras nacionais e usaram máscaras com as palavras "ministro do crime".

À noite, eclodiram confrontos com manifestantes marchando por uma área não autorizada, bloqueando o tráfego e atacando as forças de segurança, disse a polícia em um comunicado, acrescentando que três pessoas foram presas.

Vários milhares de pessoas também estavam concentradas na cidade de Tel Aviv, muitas delas famílias, descobriu um fotógrafo da AFP.

dms/dwo/pjm/bc/jvb/cc

Escrito por:

AFP