Publicado 22/09/2020 - 07h00 - Atualizado 22/09/2020 - 07h00

Por Estadão Conteúdo

Atriz recebeu a notícia rodeada de familiares e amigos que se empolgaram quando seu nome foi chamado

Divulgação

Atriz recebeu a notícia rodeada de familiares e amigos que se empolgaram quando seu nome foi chamado

Com apenas 24 anos, Zendaya se tornou a mais jovem atriz a ganhar na categoria principal de drama no Emmy Awards 2020, por seu papel em Euphoria, da HBO. A ex-estrela do Disney Channel recebeu a notícia rodeada de familiares e amigos que não puderam conter sua empolgação quando seu nome foi chamado, proporcionando um dos momentos mais surpreendentes durante a transmissão de três horas de duração. Gritos de uma alegria genuína encheram a sala enquanto Zendaya se preparava para falar. "Eu sei que parece um momento muito estranho para comemorar", disse a atriz, enquanto se agarrava à estátua. "Mas só quero dizer que há esperança nos jovens lá fora."
Zendaya derrotou veteranas como Olivia Colman, Sandra Oh, Jennifer Aniston, Laura Linney e Jodie Comer. Ao ganhar o prêmio, ela superou Jodie Comer, que tinha 26 anos quando ganhou no ano passado por Killing Eve. Outras surpresas da noite foram as premiações de Uzo Aduba como atriz coadjuvante em Mrs. America e Maria Schrader pela direção de Nada Ortodoxa.
Zendaya nasceu em Oakland, na Califórnia, em 1º de setembro de 1996. Recebeu o nome de Zendaya Maree Stoermer Coleman, escolhido por diversos motivos. O primeiro nome veio do pai, inspirado em uma palavra do dialeto Shona, nativo do Zimbábue, que significa "agradecer". E Maree é uma adaptação para a grafia africana de Marie, nome do meio da mãe, que descende de alemães e irlandeses
Sua experiência artística iniciou cedo - começou a atuar por influência da mãe que dava aulas e também trabalhava como gerente do Shakespeare Theater, em Orinda, na Califórnia. Aliás, foi com uma peça do Bardo, Macbeth, que Zendaya estreou nos palcos. O estouro de popularidade veio em 2010 quando a atriz, com apenas 13 anos, interpretou Rocky Blue na série No Ritmo (Shake It Up), lançada pela Disney Channel.
Zendaya logo se transformou em uma estrela infantojuvenil. E, ao contrário de outras atrizes em ascensão, que se envolveram em polêmicas, ela se manteve afastada de escândalos. Uma das razões, apontada por ela mesma, foi o fato de ser filha de pai negro e mãe branca. "Acredito que, em algum lugar no meu subconsciente, de muitas formas diferentes, essa foi a razão de eu não me permitir errar", confessou em entrevista à revista Vogue Austrália.
Aos poucos, ela foi consolidando uma posição de ativista contra o preconceito. Quando seu contrato com a Disney estava encerrando, ela impôs como condição para renovar que o canal aumentasse a diversidade na programação - com isso, ela assumiu como produtora executiva da série K.C. Undercover, cuja trama gira em torno de uma família de espiões negros.
Zendaya estreou no cinema em 2017 em Homem Aranha: De Volta ao Lar e a participação, embora pequena, chamou atenção da crítica. Isso lhe rendeu mais destaque, dois anos depois, em Homem-Aranha: Longe de Casa. Outro papel de destaque, ela ganhou em O Rei do Show, estrelado por Hugh Jackman.
O amadurecimento artístico veio com Euphoria, série da HBO que segue um grupo de estudantes do ensino médio através de suas experiências de sexo, drogas, amizades, amor e trauma. Zendaya vive Rue Bennett, adolescente que impressiona logo ao ser apresentada ao público, quando volta para casa após uma overdose e imediatamente compra mais drogas.
Ela deverá ser o par de Timothéé Chalamet no filme Duna, nova versão cinematográfica do romance de Frank Herbert. Vai contracenar também com Jake Gyllenhaal e Ansel Elgort, no thriller Finest Kind, além de mais participações nas próximas sequências de Homem-Aranha.
De modo geral, as séries Schitt’s Creek, Succession e Watchmen foram os principais vencedores do Emmy 2020. A cerimônia, que ocorreu remotamente por conta da pandemia do novo coronavírus, consagrou a série canadense de humor Schitt’s Creek com nove prêmios em todas as categorias voltadas à comédia.
Succession foi a grande vencedora entre as séries de drama. O programa da HBO criado por Jesse Armstrong retrata uma família rica cujo patriarca está decidindo quem deve sucedê-lo como grande comandante do império familiar, o que coloca irmãos e parentes em guerra entre si. A série venceu quatro estatuetas, incluindo a de melhor ator (Jeremy Strong), série, roteiro e direção.
Criada por Damon Lindelof, a minissérie Watchmen é inspirada no universo dos quadrinhos escritos por Alan Moore e ilustrados por Dave Gibbons em 1986. Embora não seja uma adaptação, a série se passa anos depois da trama retratada nos quadrinhos. Nesse mundo, existem super-heróis, mas esses patrulheiros mascarados são, na verdade, tão corruptos quanto os criminosos que eles prendem. A série de Lindelof usa a premissa de Moore e a transporta para a TV de modo a discutir violência policial, punitivismo jurídico e o racismo estrutural nos Estados Unidos. Os protestos contra a brutalidade policial em relação aos negros, que se espalharam pelo mundo em 2020, demonstram como a temática de Watchmen é relevante nos dias de hoje e explicam seu sucesso - tanto que a série da HBO ganhou quatro estatuetas nas categorias principais, além de dois prêmios entre as categorias técnicas, anunciadas antes da cerimônia. 

Escrito por:

Estadão Conteúdo