Publicado 23/09/2020 - 08h16 - Atualizado 23/09/2020 - 09h55

Por


Não se sabe ao certo quando a ideia do inferno foi associada ao fogo. Quando visitei Jerusalém juntamente com outros 16 diretores de Seminários Menonitas e assessorados por uma arqueóloga, ouvi uma explicação bastante interessante. Há dois vales ao lado de cidade: Hinon, um vale onde se depositava o lixo e Cedron, um vale limpo, que não recebia lixo para que não contaminasse a fonte de água da cidade (Fonte de Gion).
O vale de Hinon, por receber lixo, este se decompunha e produzia enxofre e por causa do metano, queimava diuturnamente. Criou-se a ideia de que para o lixo e para ao fogo eterno seriam mandadas as pessoas indesejáveis socialmente. Na versão dos Setenta (Septuaginta) o Vale de Hino foi traduzido como Geena.
Ocorre que, me parece, os infernos não são exclusivamente de fogo. A vida urbana tem criado outros infernos tão suplicantes quanto ficar queimando eternamente. Vi uma reportagem sobre um determinado bairro em São Paulo, mais para favela que para bairro, onde o dono de um bar promove bailes funks que começam na sexta à noite e terminam no domingo à tarde. Música em volume insuportável para quem do baile não participa, barulho da multidão gritando e cantando, bebidas, drogas e total falta de respeito aos moradores. Um inferno todo final de semana!
Uma amiga me contou na semana passada que teve que se mudar do apartamento onde morava por causa do barulho das motos que a infernizava. Ela morava em um apartamento perto do Mario Gatti e afirma que as motos dos entregadores parece que faziam questão de fazer barulho ao deixar os prédios onde vinham entregar comida.
Se me lembro bem, há uma lei que pede que não se buzine nas redondezas dos hospitais. O escapamento e a aceleração desnecessária podem? Onde a fiscalização? Se houvesse da parte da EMDEC a mesma competência para fiscalizar que tem para aplicar multas, a coisa seria diferente!
As motos já são, de fábrica, barulhentas. Já não bastasse o barulho “normal”, há quem abra o escapamento para que o som seja mais alto, estridente, irritante. É uma forma de chamar a atenção e dizer: “Eu tenho uma moto! Olhem para mim!”
Lembrei-me de um vizinho que tive em 1978, que tinha uma Vemaguete, motor dois tempos, e que, todo dia às 6:00 da manhã, ligava o motor e ficava acelerando. Um dia perguntei a ele o porquê disto e ele me disse que era para “não arriar a bateria”. Mas ele conseguia irritar toda a vizinhança. Era a forma que ele tinha de anunciar a todos que tinha um carro.
No domingo, no início da noite, estava sentado em frente à minha casa com minha esposa e uma pessoa que nos visitava. Nisto apareceu um carro, com três jovens dentro e, para estacionar na frente da casa do outro lado da rua, acelerou tantas vezes que tivemos que interromper a conversa. Escapamento aberto, fazia questão de mostrar que tinha um “possante”! Deu pena do energúmeno!
Algumas perguntas: existe a lei do silêncio em Campinas? Se tem, está em vigência? Quem já foi multado por ela? Você que é vizinho de barzinho e já denunciou, resolveu o problema?
Tenho certeza de que serei voz que clama no deserto! E o inferno vai continuar!
Marcos Inhauser é teólogo, pastor da Igreja da Irmandade e educador corporativo

Escrito por: