Publicado 16/09/2020 - 13h55 - Atualizado 16/09/2020 - 13h57

Por Aquiles Reis

Amuleto, CD independente de Rafael Alterio

Reprodução

Amuleto, CD independente de Rafael Alterio

Após ouvir Amuleto, CD independente de Rafael Alterio, disponível nas plataformas digitais, dei no pira: “Meu Deus, o que é isso?”
Por considerá-lo um retrato fiel da concepção do disco, conto o que conta Celso Viáfora: “Gravando no Estúdio Gargolândia (estúdio localizado numa bela fazenda onde mora Rafael Alterio), sentado na varanda, (Viáfora) olhou o céu e tudo o mais que havia abaixo dele, reparou na contemplação tranquila e reflexiva de Rafael Alterio admirando a noite, respirou fundo aquele ar cheirando a mato e música, muita música. A partir daí, começava a tomar vida uma ideia que, criada e apurada ao longo de três anos, resultou no disco Amuleto (...)”.
Pois bem, Amuleto tem nove melodias de Alterio com letras de Viáfora. Dois gigantes! Não os perceber como geniais é fruto de uma visão mesquinha dos “donos” do mundo da mídia.
Abrindo a tampa, Amuleto, música que nomeia o CD, trata da força do sincretismo religioso dos brasileiros. Ateu É Tu é a história contada com a verve poética de Viáfora. Cara ao Sol abre a roda para Viáfora fazer um duo vocal com Alterio; Doutor de Mim troça com o gosto pela automedicação. Fogo no Tacho tem a melodia ajustada a uma crônica de Viáfora. Hoje e Nunca Mais louva a vida em suas múltiplas faces. Predador, na qual os versos de Viáfora vibram em sintonia com o mundo presente. Simples e demais é homenagem às companheiras Rita Alterio e Eliane Viáfora, esposas dos dois artesões da delicadeza. Sinhá Vovó, única música onde há a colaboração de um terceiro compositor, Bezão, com quem Rafael dividiu a criação da melodia para letra de Viáfora, conta com o coro de Rita Alterio (esposa) e de Mariana Alterio (filha).
Como não existe obra-prima fonográfica sem músicos instrumentistas, nem técnicos, nomeio-os todos por justiça: Webster Santos (violão de aço, guitarra e ukelelê); Tó Brandileone (guitarra); Betto Correia (piano Rhodes e sanfona); Fi Maróstica e Itiberê Zwarg (baixo); Pedro Alterio (violão de aço, guitarra e baixo); Gabriel Alterio (bateria e percussão); Guilherme Kastrup (percussão); Rita e Mariana Alterio (coro); Keco Brandão (piano elétrico); Mikael Mutti (piano acústico, piano elétrico e sanfona) e Rafael Alterio (piano elétrico).
Todos pilotados pela sensibilidade de Mosca (técnico de gravação), Tó Brandileone (mixagem), Carlinhos Freitas (masterização), Rafael Fioravante Alterio (diretor fonográfico), Alê Ciqueira (diretor musical) e Pamela Munhoz (criadora da linda capa).
O novo álbum de Rafael Alterio simboliza a música brasileira do século 21 – feita por compositores que nem todos conhecem, mas que perseveram, criam beleza do imprevisto e têm uma triste sina: ser quase invisível aos ouvidos populares. Ironia: tal destino é de dar dó de quem não os conhece.
Rafael Alterio e Celso Viáfora – dois músicos brasileiros que fazem da música a sua fé –, batem à porta do povo brasileiro que merece ouvi-los. Simples assim.
Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4

Escrito por:

Aquiles Reis