Publicado 20/09/2020 - 12h10 - Atualizado 22/09/2020 - 11h35

Por Agência Anhanguera de Notícias


Cedoc / RAC

A Unicamp lançou o projeto Memórias Covid-19 no Festival Austríaco Ars Electronica. A plataforma reúne diversas experiências vividas durante a pandemia causada pelo novo coronavírus.
A plataforma, lançada no último dia 11, tem curadoria e participação de nove instituições brasileiras, além de França e Portugal. Um documentário sobre o projeto estreou no mesmo dia. A coordenadora do projeto, professora da Unicamp Ana Carolina de Moura Delfim Maciel, comenta que a plataforma, bilíngue, já reúne mais de 100 relatos e demonstra as diferentes experiências da vivência na pandemia. “Ela é muito plural. Temos o tema em comum que é a pandemia e o isolamento, mas os olhares são os mais diversos possíveis. É um caleidoscópio de experiências”, afirma.
Para a professora, o lançamento da plataforma no Ars Electronica é motivo de orgulho para a Unicamp. “A Unicamp está participando desse festival que  se subdivide em algo que eles chamam jardins, então a Unicamp entra nessa rede de
120 localidades onde acontece o festival. É uma visibilidade fantástica pois um festival como esse tem muito alcance em tempo em que a virtualidade está pautando a própria existência do festival. Ficamos muito honrados com o convite”, observa. O Festival Ars Electronica acontece desde 1979, focado na interface entre arte, tecnologia e sociedade. A edição deste ano foi totalmente virtual.
Relatos
A plataforma #MemóriasCovid19 segue recebendo relatos. Até o momento, ela reúne cerca de 100 relatos, que demonstram em fotos, vídeos, poesias, textos e ilustrações diferentes vivências durante a pandemia. Para participar e enviar seu relato, acesse o site: https://memoriascovid19.unicamp.br/.
Toda a memória da plataforma está sendo documentada pelo Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência da Unicamp. As redes sociais do projeto são: instragram.com/memoriascovid19 e facebook.com/memoriascovid19. (Com informações da Unicamp)
Retomada das atividades presenciais começa a ser esboçada
Depois de mais de seis meses suspensas, a Unicamp começa a esboçar a retomada de atividades presenciais a partir do dia 19 de outubro. A reitoria garante que todos os institutos e departamentos terão de obedecer a um rigoroso protocolo sanitário.
O plano de vigilância a ser adotado na Universidade será coordenado pelo Centro de Saúde da Comunidade, o Cecom. A equipe será responsável pela observação
sistemática da saúde de funcionários, docentes e estudantes no retorno parcial e
gradual às atividades presenciais, baseando-se no tripé de testagem em massa, uso de aplicativo para inquérito de sintomas entre a comunidade, e rastreamento de
contatos.
Voltando ao trabalho ou estudo no campus, o membro da comunidade universitária deverá obrigatoriamente responder diariamente a um inquérito, utilizando um aplicativo para smartphone, cujo uso tem como objetivo aperfeiçoar a vigilância
epidemiológica da Covid-19 na Unicamp, visando a prevenção da ocorrência de casos novos e de surtos entre os membros da comunidade universitária. O aplicativo deverá estar disponível para download antes do dia 19 de outubro.
O inquérito contém nove perguntas, relacionadas à ocorrência dos sintomas: tosse; dor de garganta; dor de cabeça, febre (maior ou igual a 37,8ºC) ou calafrios;nova perda de paladar ou olfato; congestão nasal ou coriza,; náuseas; vômitos ou diarreia; dor ou desconforto no peito e falta de ar ou dificuldade em respirar.
‘Sim’ e ‘não’ no relato oferecem alternativas
Caso a resposta seja negativa para todas as perguntas, haverá uma mensagem automática com orientação para o comparecimento habitual às atividades presenciais e seguimento de todas as recomendações para a prevenção da Covid-19
Em caso de resposta positiva para sintomas de menor gravidade, haverá mensagem
automática com orientação para não iniciar ou não permanecer em atividades
presenciais na Universidade; adotar o isolamento social; e procurar um serviço de
saúde de referência para diagnóstico e acompanhamento (como o Cecom). Se houver resposta afirmativa para sintomas de maior gravidade, a mensagem será a orientação para não iniciar ou não permanecer em atividades presenciais na  Universidade; adotar o isolamento social; e procurar imediatamente um serviço de saúde de referência para diagnóstico e acompanhamento.

Escrito por:

Agência Anhanguera de Notícias