Publicado 28/09/2020 - 16h15 - Atualizado 28/09/2020 - 16h18

Por Maria Teresa Costa


Divulgação

Campinas estará entre as primeiras cidades do país que receberão a vacina contra o coronavírus, assim que houver um imunizante aprovado pelas autoridades da Saúde, disse o prefeito Jonas Donizette (PSB), em live nesta tarde. Ele informou que recebeu, na sexta-feira, o assessor especial do Ministério da Saúde, Airton Cascavel, que informou que Campinas receberá 10 mil testes PCR, sem custo, para aplicação nas pessoas sintomáticas e seus contactantes e o consultou sobre a possibilidade de a Rede Mário Gatti ser um ponto de aplicação da vacina.
Há, no mundo, 11 vacinas na fase 3 dos estudos clínicos, última etapa exigida pelas agências regulatória antes da aprovação. Duas delas, consideradas as mais promissoras e avançadas contra o coronavírus estão sendo testadas no Brasil: a da Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca e a da empresa chinesa Sinovac.
Outras duas, das farmacêuticas norte-americanas Johnson & Johnson e Pfizer receberam, recentemente, autorização das autoridades brasileiras para começar os ensaios clínicos no país.
Os ensaios clínicos em seres humanos avaliam a segurança e eficácia do medicamento e são divididos em três fases. Na fase 1I, participam pequenos grupos de indivíduos. Na fase 2 há a inclusão de mais pessoas e a vacina é administrada em indivíduos representativos da população-alvo a ser imunizada. Já na fase 3, a vacina é oferecida a uma grande quantidade de pessoas para avaliar a capacidade de proteção do produto. O Hospital de Clínicas da Unicamp está participando dos estudos clínicos da vacina Sinovac.
Jonas disse que foi uma conversa inicial, ainda sem detalhes sobre a estratégia de vacinação, quando isso for possível. “Certamente não será a apenas a Rede Mário Gatti, mas toda a rede básica de saúde estará engajada na imunização, quando houver uma vacina disponível”, afirmou.

Escrito por:

Maria Teresa Costa