Publicado 12/08/2020 - 17h41 - Atualizado // - h

Por Tote Nunes

Num prazo de até 45 dias, deve entrar em operação em Campinas um serviço pioneiro no Brasil,de entrega de produtos por meio de drones

Divulgação

Num prazo de até 45 dias, deve entrar em operação em Campinas um serviço pioneiro no Brasil,de entrega de produtos por meio de drones

Num prazo de até 45 dias, deve entrar em operação em Campinas um serviço pioneiro no Brasil,de entrega de produtos por meio de drones. A Anac (Agência Nacional de Avião Civil) emitiu licença de operação à empresa Speedbird Aero, que vai realizar o serviço a partir do Shopping Iguatemi, segundo informou ontem, o empresário André Arruda, sócio da Al Drones, empresa que conduziu o processo para a emissão da licença de operação pela Speedbird, junto à Anac.
Segundo ele, o serviço ainda é considerado experimental, e deverá ter um alcance limitado a 2,5 km do entorno do shopping e levar cargas de até dois quilos de peso. “Pode ser lanche, remédios, produtos, desde que obedeça essas condições”, disse Arruda. Ainda segundo ele, o serviço já tem acordo firmado com a iFood – empresa que atua no setor de entrega de comida a partir de reservas feitas pela internet. 
Esta é a primeira certificação do tipo emitida pela Anac e permite que o equipamento da empresa possa ser utilizado no serviço de delivery. A autorização é válida até agosto de 2021 e permite testes além da chamada “linha de visada visual” - que é quando o operador não precisa ter contato visual para operar o drone.
Há pouco mais de três anos, quando foram publicadas as normas para as operações de aeronaves não tripuladas, os equipamentos vinham sendo utilizados nas mais diversas áreas, seja para uso profissional ou recreativo. Mas, com a emissão do Certificado de Autorização de Voo Experimental (Cave) , a exploração do equipamento para novas atividades ficou mais ampla.

Para realizar os voos, o operador da aeronave de modelo autorizado – o DLV-1, precisa seguir as regras previstas no Regulamento Brasileiro de Aviação Civil Especial e as normativas de tráfego aéreo, do Departamento de Controle do Espaço Aéreo.

As empresas Al Drones e Speedbird garantem que os ensaios feitos com a Anac provaram ser perfeitamente factível a transmissão, em tempo real, das informações de posicionamento do voo do drone, utilizando a rede de telefonia móvel.
“Uma malha aérea de entregas, integrada ao Espaço Aéreo, não é um sonho distante. Mas precisamos operacionalizar os aspectos de Segurança de Voo, para que isso seja desenvolvido de forma sustentável. No futuro próximo, o uso das novas tecnologias vai permitir a expansão das operações”, afirma Arruda.
Segundo ele, os drones seguem a tendência de integração ao conceito das Cidades Inteligentes . Diz ainda que o serviço vai proporcionar diminuição dos tempos de entrega, a redução das emissões de poluentes e otimização do tráfego terrestre.
Para o superintendente de Aeronavegabilidade da Anac, Roberto Honorato, a autorização concedida pela Agência traz uma importância muito significativa para o setor e para o desenvolvimento comercial de novas oportunidades de mercado.
“Dentre as atividades que a sociedade espera para os drones explorarem, o delivery é uma das mais promissoras. Obter o Cave é uma etapa importante no processo de desenvolvimento do negócio, principalmente por ser de uma empresa brasileira”, destaca.

Escrito por:

Tote Nunes