Publicado 31/07/2020 - 07h53 - Atualizado 31/07/2020 - 07h53

Por Gilson Rei

Atendimentos a casos da pandemia

Carlos Bassan/PMC

Atendimentos a casos da pandemia

As cirurgias eletivas não serão realizadas pelos hospitais Mário Gatti e Ouro Verde, que vão concentrar os esforços no atendimento médico de casos de Covid-19. A rede municipal vai manter os 340 leitos de internação exclusiva para a Covid-19, sendo 243 de internação e 97 Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) somente para as pessoas positivadas pela doença. 
Os dois hospitais vão continuar realizando também as cirurgias de emergência causadas por acidentes de trânsito; crimes com arma branca e faca; e acidentes domésticos - procedimentos de politraumatismo que não foram interrompidos mesmo neste período de pandemia. Ao todo, 15 leitos de UTI serão mantidos apenas para os casos de urgência de politraumatismo.
O presidente da rede Mário Gatti, Marcos Pimenta, explicou ontem que as cirurgias eletivas deverão começar a ser aplicadas a partir de hoje, de forma gradual, em hospitais particulares e no Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas Unicamp). "Decidimos manter o foco no coronavírus na rede Mário Gatti porque o combate à doença continua. Em Campinas, mesmo em uma situação de estabilidade, os registros de coronavírus não diminuíram. A demanda se mantém elevada nos hospitais e temos que manter a atenção na Covid-19" , afirmou.
O município chegou a 701 mortes causadas pela Covid-19, com mais 19 óbitos confirmados ontem. Campinas chegou a 17.805 casos confirmados da doença, um aumento de 840 casos em apenas um dia.
Pimenta ressaltou que mesmo sem atender as cirurgias eletivas neste momento, a rede Mario Gatti, poderá voltar a realizar este procedimento quando houver redução nos índices de contágio por Covid-19. "Atualmente, a rede está com 340 leitos sendo utilizados exclusivamente para a Covid-19. Mesmo assim, são realizadas 450 cirurgias por mês de casos de urgência, causados por politraumatismo" , comentou.
Na última quarta-feira, o secretário de Saúde, Carmino de Souza, disse que a pressão na ocupação dos leitos diminuiu, mas alertou que o vírus continua circulando e que os casos estão no mesmo patamar. "O decreto do prefeito Jonas retira a vedação, mas isso não quer dizer que todas as cirurgias eletivas serão feitas a partir de amanhã. Vamos fazer isso com muita parcimônia.”, explicou.
Campinas contava ontem com 414 leitos de UTI exclusivos para pacientes com Covid-19 nas redes pública e particular. Deste total, 327 estavam ocupados, correspondendo a 78,99%. Havia 87 leitos livres nas duas redes.

Escrito por:

Gilson Rei