Publicado 25/07/2020 - 10h09 - Atualizado 25/07/2020 - 10h09

Por Alenita Ramirez

Gilmar Pereira havia seguido antes a defensora da faxineira, mas desistiu

Captura de Imagens

Gilmar Pereira havia seguido antes a defensora da faxineira, mas desistiu

Um desempregado de 37 anos foi preso em flagrante ontem após atacar uma faxineira de 41 anos próximo a uma ponte da linha férrea no Jardim Bandeirantes, em Campinas. A vítima só não sofreu a violência sexual porque uma leiturista de 48 anos que trabalhava nas proximidades, ouviu gritos de socorro e correu para ajudá-la. O homem correu, mas depois foi localizado pela Polícia Militar (PM). O crime foi registrado na 1ª Delegacia de Defesa da Mulher como estupro.
O caso ocorreu por volta das 7h20 na Rua Comendador Bernardo Alves Teixeira. Instantes antes, Gilmar Pereira já havia seguido a leiturista que utilizou uma chave de fenda que usa no trabalho para se defender. O suspeito chegou a se afastar da vítima, mas caminhou por alguns metros e ficou aguardando a vítima, que realizava leituras nos relógios de energia elétrica da via.
“Havia movimento na hora. Muitas pessoas passavam pelo local. Em dado momento ouvi gritos e vi que ninguém fez nada. Então, peguei a chave na mão e corri para ver o que era”, contou.
A faxineira seguia para o trabalho e antes de ser atacada tinha passado pela leiturista. A mulher foi arrastada para a ponte e o desempregado chegou a tocar nos seios da vítima.
Ao ver a leiturista, o suspeito soltou a faxineira e correu. Outras pessoas que passavam na via, ao ver a leiturista correndo, também foram atrás. “Na hora não pensei em nada. Se tivesse pego ele, acho que enfiava a chave nele. Tenho certeza que o alvo era eu”, disse. “Tenho filhos, nora e netos. A gente pensa na família. Vi que ninguém ia fazer nada pela mulher e quis ajudá-la”, acrescentou a leiturista que já praticou atletismo, já sofreu dois acidentes correndo de cachorros, caiu de uma escadaria e foi assaltada por um bandido armado, ao longo dos sete anos e meio na função.
Com a fuga do desempregado, a PM foi acionada e foi no bairro e fez patrulhamento. O suspeito foi localizado no Jardim Aurélia e foi reconhecido pela vítima e pelas testemunhas. Segundo a polícia, ele está com alvará de soltura e ficou preso por sete anos por tráfico de drogas.

Escrito por:

Alenita Ramirez