Publicado 09/07/2020 - 06h00 - Atualizado 08/07/2020 - 14h33

Por Do Correio

Monumento aos heróis de 1932

Reprodução

Monumento aos heróis de 1932

EM 1932 SP LEVANTAVA-SE PRÓ CONSTITUCIONALIZAÇÃO
No dia 9 de julho de 1932, precisamente há 38 anos, o povo de São Paulo levantava-se, através de suas fôrças estaduais e auxiliadas pelas federais, contra os desmandos então vigentes, sob o guante de uma oligarquia que levava o país ao caos, pelo desemprego, pela crise do café, pelas perseguições políticas, pela censura à imprensa, pela extinção dos sindicatos de trabalhadores, pelo jugulamento da economia, com reflexos danosos para tôda a nação, visto que São Paulo era a viga mestra da vida de milhões de brasileiros. Mas o seu grito de guerra se confinou somente no seu território, ganhando parte de Mato Grosso, perdendo porém as alianças e promessas de outros governadores e interventores que estavam dispostos a engrossar as fileiras constitucionalistas.
 
ATÉ QUANDO A INTERDIÇÃO DO PALÁCIO DOS ALVES?
Continua interditada ao tráfego de veículos e também a pedestres, o trecho da rua Barreto Leme, entre avenida Francisco Glicério e rua Sacramento. Isso ocorre há mais de um mês e tem como causa o embargue da demolição do edifício localizado na esquina da Barreto Leme com Francisco Glicério. O edifício é conhecido como "Palácio dos Alves". Quem embargou a demolição foi a Secretaria Obras da Prefeitura, porque o prédio encontra-se tombado pelo Serviço de Patrimônio Artístico e Histórico do Estado. A demolição, ilegal, foi iniciada sob a responsabilidade do proprietário do imóvel.
 
PRESIDENTE MÉDICI CASSOU DEZOITO POLÍTICOS
Encerrada a reunião do Conselho de Segurança Nacional sua secretaria geral emitiu a nota para a imprensa, acentuando que convocado pelo presidente da República esteve reunido o Conselho de Segurança, no Palácio das Laranjeiras, a partir das 10 horas, para, opinar sôbre processos a respeito dos quais deveria pronunciar-se o chefe do govêrno, nos termos do Ato Institucional n.o 5. Os referidos processos, que foram longa e minuciosamente examinados, estavam instruídos pela secretaria geral do Conselho de Segurança Nacional, com documentos e subsídios provenientes do Serviço Nacional de Informações e demais órgãos de informações, vinculados ao Ministério da Justiça e aos Ministérios militares.

Escrito por:

Do Correio