Publicado 01/07/2020 - 14h54 - Atualizado 01/07/2020 - 14h54

Por Estadão Conteúdo


São Paulo ultrapassou nesta quarta-feira 15 mil mortes pelo novo coronavírus. Balanço da Secretaria Estadual da Saúde mostra que o Estado tem 15.030 mortes, 267 registradas em 24 horas. Já são 289.935 casos confirmados da doença, com 8.555 casos registrados em 24 horas.

O número está abaixo de projeções feitas para o mês de junho pelo Centro de Contingência Contra a Covid-19, que passou a ser comandado por Paulo Menezes. A projeção era de até 290 mil casos até o final do mês e até 18 mil mortes.

Diante dos dados, o governador João Doria (PSDB) afirmou que eles mostram que o Estado chegou a um platô da doença.

"Dados do comitê de saúde indicam mudança na curva da pandemia no Estado de São Paulo, especialmente na capital paulista. Quero reafirmar que estamos seguros de estamos no caminho certo e correto no Plano São Paulo. Não é um plano de flexibilização, mas uma quarentena heterogênea. Fechamos o mês abaixo dos óbitos projetados. Centenas de vidas foram poupadas em junho. Tivemos um leve declínio na curva de vítimas fatais. Conseguimos reduzir em 144 falecimentos na última semana. Não quero ser otimista e nem pessimista. Quero ser realista. Esses dados nos dão esperança e nos mostram a chegada num platô", disse Doria.

O Centro de Contigência apresentou dados que mostrariam uma estabilidade no número de mortes na capital entre as semanas 21 e 26 da epidemia. Nesse intervalo, as mortes foram 699 (semana 21), 748 (semana 22), 662 (semana 23), 698 (semana 24), 772 (semana 25) e 611 (semana 26).

"Na capital, nas últimas seis semanas, nós temos uma pequena flutuação no número de óbitos, que tem variado de 700, 770, mas graficamente é possível estabelecer um platô nas últimas seis semanas em relação aos novos óbitos na capital", afirmou João Gabbardo dos Reis, que é membro do Centro de Contigência da Covid-19 no Estado.

Já no interior, os dados mostram um avanço das mortes nessas semanas, com 658 (semana 21), 739 (semana 22), 864 (semana 23), 825 (semana 24), 1.141 (semana 25) e 1.158 (semana 26).

Testes para a vacina

Segundo Doria, já foram definidos os 12 centros de pesquisa que farão os testes da vacina contra o coronavírus aqui no Brasil na parceria com a chinesa Sinovac. Os testes, liderados pelo Instituto Butantan, serão realizados com 9 mil voluntários em seis Estados brasileiros.

Em São Paulo, os testes serão conduzidos no Centro de Pesquisas do Hospital das Clínicas (USP), Instituto Emílio Ribas, Hospital Albert Einstein, Universidade Municipal de São Caetano do Sul, Hospital das Clínicas da Unicamp, Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto.

Fora de São Paulo, os centros são: Universidade de Brasília, Instituto de Infectologia Evandro Chagas da Fiocruz, Universidade Federal de Minas Gerais, Hospital São Lucas da PUC-RS, Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná

"Esses centros divulgarão critérios de inclusão dos candidatos e poderemos iniciar o processo do estudo clínico em si, na semana que vem. O Butantan realizará o desenvolvimento final dessa vacinação. Na minha expectativa, é uma das vacinas mais promissoras do mundo. Vamos sair já com um acordo, havendo registro, de disponibilização para o Brasil inicialmente de 60 milhões de doses", disse Dimas Tadeu Covas, do Instituto Butantan.

"O governo espera aprovação esta semana da Anvisa para que os centros autorizem os testes", disse Doria.

Segundo ele, a Sinovac, com quem o governo do Estado fechou parceria, já fez testes em fase 3 com mais de mil voluntários na China.

O acordo com o laboratório, de acordo com Doria, permite a transferência de tecnologia para produção da vacina pelo Butantan em São Paulo e ela será distribuída no SUS.

Escrito por:

Estadão Conteúdo