Publicado 21/06/2020 - 10h55 - Atualizado // - h

Por Da Redação da Metrópole

O trabalho home office se tornou uma tendência durante o período de isolamento social

Divulgação

O trabalho home office se tornou uma tendência durante o período de isolamento social

A pandemia virou de repente a rotina de todo mundo do avesso tanto na vida pessoal como na profissional. A rápida transmissão da Covid-19 forçou o mundo a buscar e adotar respostas rápidas e improvisadas em diversos setores da economia. O mercado de trabalho teve de acelerar um processo que já despontava no horizonte, mas ainda engatinhava: o home office. Com o tsunami do novo coronavírus, a opção veio como solução para que empresas de quase todos os setores e portes não parassem completamente. Com exceção das áreas de atividades essenciais, como supermercados, bancos, farmácias, transportes e hospitais, a maior parte das empresas adotou o teletrabalho desde o início das quarentenas.

O resultado parece ter sido positivo pois multinacionais como Johnson & Johnson, Google e as nacionais Ambev e Nubank, já cogitam manter boa parte dos seus funcionários trabalhando de forma remota mesmo depois da pandemia. Como fatores positivos destacam produtividade acelerada e redução de despesas como as principais vantagens desse novo modelo de trabalho e de vida.

Mesmo com 3 meses completos de isolamento, muita gente ainda enfrenta dificuldades para organizar o trabalho em casa com a família, filhos, cachorro, almoço, jantar, louça para lavar, casa para faxinar etc.
“A produtividade com certeza é outra dificuldade”, garante Tathi Deândhela, especialista no segmento e autora do livro Faça o tempo enriquecer você, que mostra como eliminar os ladrões do tempo e conquistar mais prosperidade: “Reuniões infinitas, com um excesso de pessoas envolvidas, sem foco, bate papo e fofoca nos corredores, cafezinho seguido do cigarro acabaram. O que ganha força agora é a preocupação com o bem-estar e a saúde mental dos funcionários”, destaca. Segundo ela, executivos estão atentos com a adaptação definitiva de seus colaborares em casa e mantê-los saudável é uma regra do 'novo normal'.

A especialista Tathi Deândhela dá dicas para um home office e trabalho doméstico saudáveis e longínquos
- Escolha o melhor lugar da casa para trabalhar, um espaço que tenha ótima iluminação e ventilação, pois é lá que você vai ficar por pelo menos 8 horas.

- Equipe sua casa com a tecnologia que atenda a todos. Lembre-se que os filhos dividem a conexão na hora das aulas on-line e durante o dia nos jogos. Brigar por sinal de internet é muito desgastante e não há data para que as escolas voltem a funcionar.

- A questão ergonômica é vital. Tenha cuidado com a qualidade da cadeira, adote uma que encoste bem as costas, pense na estrutura da mesa, utilize monitor na altura dos olhos e providencie uma excelente iluminação.

- Faça pausas durante o expediente residencial. A cada duas horas dê uma volta pela casa, brinque com o cachorro, converse com os filhos. Isso ajuda a ser mais produtivo.

- Se você fazia ginástica na hora do almoço ou voltando do trabalho, use os aplicativos gratuitos disponíveis para praticar alguma atividade física no ambiente doméstico.

- Meditar também tem sido uma das ferramentas mais indicadas para manter a saúde mental. São dezenas de opções gratuitas para a prática mindfulness.

- Cuide da alimentação, do sono, da higiene, tire o pijama para trabalhar, arrume-se como se fosse para o escritório físico.

- Tenha hora para começar e encerrar o expediente de trabalho em casa. O descanso é vital para o bem-estar e saúde mental, evitando o esgotamento.

- Se em um determinado dia nada dá certo, tudo vai contra o que você tinha planejado, sua cabeça está em Marte, entenda que você pode dar um tempo. Pare, respire, tire até um cochilo. Permita-se recomeçar.

- Tire férias. Não dá para viajar, mas é uma oportunidade de se dedicar mais à família, ao namorado ou a você mesmo. Faça um curso que fuja da sua rotina, de comida japonesa, de maquiagem, de psicologia, enfim, algo que possa recuperar seu cansaço mental.

Escrito por:

Da Redação da Metrópole