Publicado 03/06/2020 - 13h48 - Atualizado 03/06/2020 - 14h02

Por Maria Teresa Costa

Permanece proibida a abertura de bares e restaurantes para consumo local, salões de beleza e academias de esportes

Leandro Ferreira/AAN

Campinas terá que seguir o plano estadual, que autoriza a abertura de restaurantes apenas na fase 3

O governo do Estado anunciou que não haverá flexibilização no plano estadual de retomada gradual das atividades para atender demandas de prefeitos nessa fase. Com isso, Campinas terá que excluir o funcionamento de restaurantes, com restrições, e o funcionamento do comércio de rua e shoppings por seis horas como previa o plano do prefeito Jonas Donizette (PSB) a partir de segunda-feira.
O governador João Doria (PSDB) anunciou o plano estadual, que autoriza a abertura de restaurantes apenas na fase 3, e define que na atual fase, a 2, o comércio pode abrir por quatro horas. Em relação às igrejas não há impedimento de retomada.
O prefeito Jonas Donizette (PSB) disse ontem que, embora avalie que a cidade tem condições de seguir com o plano municipal, irá acatar a decisão do Estado, sem judicializar a questão. A flexibilização das atividades deveria ter iniciado na segunda-feira, mas no sábado o prefeito anunciou o adiamento por uma semana, após avaliação da Vigilância Sanitária de que não havia garantias de que os leitos que estão sendo contratados pela Prefeitura estariam em operação nessa semana. A ampliação de leitos é necessária porque Campinas está recebendo forte demanda por atendimento de cidades da região.
Na atual fase, onde foi permitida a retomada na região de Campinas, podem funcionar, com restrições, além dos serviços essenciais, shoppings centers (com proibição de abertura das praças de alimentação),. Comércio de rua e serviços em geral podem funcionar com capacidade limitada a 20%, horário reduzido para quatro horas seguidas e adoção dos protocolos padrão e setoriais específicos.
Também está permitido o atendimento presencial em concessionárias e escritórios. Está proibida a abertura de bares e restaurantes para consumo local, salões de beleza e barbearias, academias de esportes em todas as modalidades e outras atividades que gerem aglomeração.
Jonas, como outros prefeitos, pediram ao Estado a reclassificação das regiões dentro do plano estadual, mas o governador João Doria decidiu não acatar, baseado nas análises feitas nessa manhã pelo Comitê de Contingenciamento para Emergências para o Covid-19.

Escrito por:

Maria Teresa Costa