Publicado 06/06/2020 - 06h00 - Atualizado 05/06/2020 - 15h21

Por Do Correio

Histórico prédio Solar dos Alves

Reprodução

Histórico prédio Solar dos Alves

PREFEITURA EMBARGA DEMOLIÇÃO DO SOLAR DOS ALVES
A Prefeitura embargou ontem a demolição do denominado Palácio dos Alves, localizado na esquina da rua Barreto Leme com avenida Francisco Glicério determinando, em consequência, o isolamento dos trechos das ruas em que ele se, encontra. Acontece que o edifício encontra-se tombado pelo Serviço do Patrimônio Histórico do Estado de São Paulo, não podendo portanto ser demolido sem autorização prévia daquela instituição. A demolição foi iniciada sob a responsabilidade do seu atual proprietário. O tradicional e histórico edifício encontra-se seriamente ameaçado, com suas estruturas abaladas. O proprietário, sentindo o problema, requereu à Prefeitura, através da Secretaria de Obras, o necessário alvará de demolição. Como existe o tombamento, o alvará foi negado.
 
ASSEMBLÉIA DE SÃO PAULO INICIA ANO LEGISLATIVO
Com a presença das mais destacadas autoridades civis e eclesiásticas e representantes dos Comandos do 2.o Exercito e 2.a Região teve lugar hoje, às 16,30 horas, a instalação da sessão solene de mais uma legislatura na Assembléia de São Paulo. A sessão foi aberta pelo deputado Orlando Zancaner que deu posse ao sr. Leonidas Umburamas, na vaga aberta pelo licenciamento do deputado José Felicio Castelani, que hoje reassumiu a secretaria da Promoção Social. Ato contínuo, o Presidente Orlando Zancaner designou uma comissão composta dos deputados Dulce de Salles de Cunha Braga, Renato Cordeiro, Fauze Carlos, Salim Curiaki, para introduzir no recinto o Governador Abreu Sodré, que se encontrava nos salões da Presidência.
 
INCINERAÇÃO DAS VÍTIMAS DO TERREMOTO NO PERU
O drama que vive o Peru tomava caracteres apocalípticos e seus detalhes enchem de horror às testemunhas. Hoje soube-se em fonte chegada ao Comite Nacional de Emergencia que o Exército recorrerá ao fogo se for preciso para incinerar os cadáveres que se encontram sob os escombros, frente a impossibilidade de resgata-los e com o objetivo de evitar epidemias. Todavia, casos de tifo tem sido detectados. Por outro lado, os sapadores prosseguiam a demolição dos imóveis que ameaçam desabar. A maior parte são construções de barro de escassa solidez. Huaraz, vista do ar, recorda o drama de Hiroshima, e quem percorreu as ruas informa que não há paredes em pé de mais de um metro de altura.

Escrito por:

Do Correio