Publicado 03/06/2020 - 06h00 - Atualizado 02/06/2020 - 15h17

Por Do Correio

Produto manufaturado continua sendo o operacional

Reprodução

Produto manufaturado continua sendo o operacional

EXPORTAÇÃO: QUASE 2 MILHÕES DE DÓLARES EM MAIO
Com um movimento de 1.935.231,15 dólares, a zona operacional de Campinas bate o seu próprio recorde em matéria de exportação, o que ocorreu durante o mês de maio último. O total autorizado ultrapassa o registrado durante o mês de julho de 1969, até então detentor da maior cifra em exportações, pois alcançara 1.560.185,83 dólares. Em relação ao mês de abril, o aumento foi da ordem de 37,10 por cento. Os produtos manufaturados continuam constituindo o esteio das exportações de Campinas, atingindo no mês de maio 1.464.664,30 dólares o que representa 75,68 por cento do total exportado. Os produtos primários e semi-manufaturados alcançam 470.572,85, equivalente a 24,32 por cento. Incorporam-se às exportações de maio a quantia de Cr$ 56.584,64, de produtos brasileiros enviados ao Paraguai e Bolívia através do convênio entre o Brasil e aqueles dois países.
 
HOJE É DIA DE BRASIL NA COPA DO MUNDO
Num clima de grande expectativa, os brasileiros esperam o jôgo de hoje entre a Seleção Nacional e a Tchecoslováquia. O time do Brasil será o mesmo que vinha atuando durante a fase de preparação, com uma única alteração: em virtude da contusão de Marco Antonio, entrará Everaldo. BRASIL - Felix; Carlos Alberto, Brito, Piazza e Everaldo; Gerson, Clodoaldo e Rivelino; Jairzinho, Pelé e Tostão. Reservas: Ado, Fontana, Zé Maria, Roberto e Paulo Cesar. TCHECOSLOVAQUIA - Viktor; Dobias, Horvath, Migas e Hagara; Herdlicka e Kuna; Vesely, Petrasí Adamec e Jokl. Reservas: Locha, Kvasnak, Bohumil, Vesely, Vencei. Juiz: Ramon Barreto. Estádio Jalisco de Guadalajara. Os jogadores brasileiros estão confiantes na vitória do Brasil. O técnico Zagalo disse que poderá mudar o estilo de jôgo do Brasil, se Everaldo demonstrar que não está aguentando o ritmo da partida.
 
NUVEM DE PÓ DIFICULTA SALVAMENTO NO PERU
Diante da resistência da natureza as autoridades continuavam hoje impotentes em seus esforços para ajudar Huaylas, onde parece que chegou a 30.000 o número de pessoas mortas e onde há milhares de feridos e desabrigados. Por causa do terremoto uma camada de pó eleva se a seis mil metros. Não foi ainda empurrada pelos ventos e cobre uma zona de cem quilômetros de comprimento como uma nuvem gigantesca que oculta o sol, impossibilitando inclusive que os helicópteros possam aterrissar. Apenas um deles conseguiu encontrar um buraco na nuvem em Caraz e pôde recolher quatro feridos que foram transportados a Chimbote.

Escrito por:

Do Correio