Publicado 30/06/2020 - 22h24 - Atualizado 30/06/2020 - 22h24

Por AFP


Logo bem cedo pela manhã e sem alterar seu horário de trabalho em meio a uma pandemia, o presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, veste sua roupa de neoprene para surfar, algo que não fazia desde que assumiu o cargo em março passado.

A imagem dessa sessão secreta de surf, há duas semanas, foi divulgada na imprensa local nesta terça-feira (30), no mesmo dia em que a União Europeia incluiu o Uruguai como o único país latino-americano na lista de nações para as quais reabrirá suas fronteiras em julho.

O momento de lazer do chefe de Estado de 46 anos, que disse ter "matado a vontade" de surfar, horas depois de uma reunião oficial, resume a filosofia com a qual seu governo enfrenta a pandemia: "Liberdade" e "responsabilidade".

Os mais céticos alertam que a batalha contra o coronavírus está longe de ser vencida e se perguntam se esse pequeno país, além das vantagens inerentes de uma baixa densidade populacional, realmente fez as coisas melhor do que seus vizinhos.

Lacalle Pou garante que priorizou "a liberdade do indivíduo" contra um "regime policial" da quarentena compulsória.

A população de 3,4 milhões de habitantes respondeu com "comprometimento exemplar".

E os funcionários públicos mais bem pagos aceitaram um corte salarial temporário de até 20% para um fundo de crise.

Com um total de 27 mortes e 932 infecções desde meados de março, incluindo apenas 83 casos ativos, o Uruguai também se tornou o primeiro da região nesta semana a retomar aulas presenciais em todos os níveis de ensino.

Em sintonia com a Organização Mundial da Saúde (OMS), atenta para sinais de possíveis contratempos, nem autoridades nem especialistas se atrevem a declarar vitória.

Mas ambos comemoram esse "modelo uruguaio", que após o terceiro mês devolveu à sua população uma vida semelhante à normalidade.

No início da epidemia, apenas quatro casos motivaram o fechamento de fronteiras e a suspensão das aulas.

De acordo com o infectologista pediátrico Álvaro Galiana, "o aparecimento precoce de casos altamente socialmente conectados, em um momento em que a circulação viral era muito baixa, levou à adoção de medidas apropriadas, mesmo que pensassem que eram exageradas, justamente quando as aulas começaram".

Para isso, ele acrescenta um sistema de saúde com atendimento domiciliar de casos e ausência de multidões em espaços fechados. Não apenas pela ausência de metrôs ou trens de passageiros na capital, mas também por um tempo benevolente que incentivou as atividades ao ar livre.

Henry Cohen, o renomado médico que coordena o grupo consultivo de cientistas do governo, acrescenta à fórmula bem-sucedida da decisão política e sua resposta, a ação do setor científico: "Em fevereiro, eles começaram a trabalhar nos primeiros testes de PCR, que alcançaram rapidamente resultados, em qualidade e quantidade suficiente, acima do que o país precisa hoje.

O Uruguai aproveitou a oportunidade para promover a entrada de migrantes e investimentos.

Hoje em dia, num dos principais pontos turísticos do país, Punta del Este, um destino de férias por excelência, os expatriados encontram residentes ocasionais que escapam do confinamento em Buenos Aires.

Escrito por:

AFP