Publicado 31 de Maio de 2020 - 10h46

Por Gilson Rei

A doação de alimentos por meio da campanha Unicamp Solidária busca atender a população carente que teve a situação agravada com a pandemia

Carlos Bassan/Prefeitura de Campinas

A doação de alimentos por meio da campanha Unicamp Solidária busca atender a população carente que teve a situação agravada com a pandemia

Uma ação da Universidade Estadual de Campinas de combate ao coronavírus uniu solidariedade e ciência com o objetivo de oferecer apoio à população com vulnerabilidade social em Campinas. A campanha “Unicamp Solidária” já é uma realidade. A meta é garantir alimentos e produtos de higiene à população carente e, ao mesmo tempo, criar frentes de estudos na área social para disponibilizar soluções, mapas e diagnósticos que possam contribuir no desenvolvimento de políticas públicas.

Com a atuação da Unicamp na área de solidariedade, a Secretaria Municipal de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos — que gerencia o Banco Municipal de Alimentos — vai receber alimentos e produtos de higiene adquiridos pela universidade por meio de doações de empresas parceiras e da sociedade em geral.

Marcelo Knobel, reitor da Unicamp, explicou que a meta é fortalecer ações já em curso, especialmente o trabalho da Secretaria Municipal de Assistência. “A universidade tem um papel fundamental no controle e na busca de soluções para a pandemia, sendo um deles o papel de engajar a comunidade para ajudar as famílias que mais precisam. Todos podem fazer a diferença, mesmo sem sair de casa”, afirmou.

O reitor reforça a necessidade no auxílio à população mais vulnerável da cidade. “Por conta das medidas de isolamento social, várias pessoas não podem trabalhar e, com isso, enfrentam dificuldades para adquirir alimentos e produtos básicos para o dia a dia, incluindo produtos de higiene, fundamentais para conter a disseminação do vírus”, destacou.

Instalado dentro da Ceasa, o Banco Municipal de Alimentos arrecada produtos em eventos esportivos e culturais, em supermercados, empresas e por meio de algumas parcerias. Os alimentos coletados passam por triagem técnica e são entregues para 120 entidades assistenciais de Campinas, cadastradas e acompanhadas pela secretaria. Estas instituições atendem em torno de 32 mil pessoas em situação de risco social: crianças, jovens, desempregados, idosos, deficientes, dependentes químicos, entre outros.

Doações

As doações de recursos já começaram a ser viabilizadas via internet, no site da Fundação de Desenvolvimento da Unicamp (Funcamp) — http://www.funcamp.unicamp.br/portal/campanha/index.htm. Por meio do site, são disponibilizados canais para arrecadação: transferência bancária, cartão de crédito e boleto bancário. Empresas parceiras já realizaram as primeiras ofertas de recursos. Foram entregues no Banco de Alimentos em duas semanas 896 cestas básicas e amanhã serão entregues mais 306 cestas.

Parcerias

O Itaú Social — uma das frentes de investimento social do Banco Itaú — está entre as empresas parceiras e deu início à campanha, com uma doação de R$ 1,2 milhão. A instituição pretende também desenvolver, implementar e compartilhar tecnologias sociais para contribuir com a Unicamp Solidária.

O projeto “the COMEMOS project" contribuiu também com uma doação inicial de R$ 10 mil. Este projeto foi idealizado em Israel e une pesquisadores, voluntários e diversas entidades que buscam soluções na área da alimentação. Até a semana retrasada, a inciativa tinha como parceiras a Secretaria Municipal de Assistência; o Laboratório von Braun Labs; o IFood; o projeto “the COMEMOS project" e o Itaú Social.

Aplicativos poderão agilizar as doações

Uma outra frente de atuação começa a ser realizada pelo von Braun, laboratório que desenvolve projetos científicos e tecnológicos, incluindo as soluções utilizadas em sistemas de Internet das Coisas, identificação e transações automáticas como as utilizadas nos pedágios de todo o País.

Será aplicado pelo von Braun na Unicamp Solidária um sistema de vouchers eletrônicos para agilizar a aquisição de cestas básicas pelas famílias necessitadas. A ideia é disseminar a oportunidade de contribuir e receber os benefícios das doações através de aplicativos, convertendo recursos em vouchers eletrônicos negociáveis nos estabelecimentos comerciais das regiões mais carentes.

O Laboratório von Braun também planeja uma estratégia de cadastramento eletrônico das famílias carentes para utilização dos vouchers com aplicativos em celulares que podem incluir outras necessidades apontadas pela Prefeitura de Campinas e demais órgãos, sempre com a opção de controle e consentimento de acesso às informações de forma integral nas mãos de cada um dos usuários do sistema, para toda e qualquer aplicação derivada.

Em outra frente dessa iniciativa, a Unicamp estabeleceu uma parceria com o “Projeto Comemos” para criação e distribuição de kits de alimentos para comercialização. Com produtos de várias marcas e restaurantes, o lucro obtido com a venda dos kits será destinado às pessoas carentes e para a Campanha Unicamp Solidária.

O “Projeto Comemos” foi idealizado em Israel e une pesquisadores, voluntários e diversas entidades do setor alimentício que buscam garantir a eficiência e a resiliência da cadeia alimentar do futuro. Para conhecer o “kit Comemos” e saber detalhes dessa frente da campanha, está disponível o site http://www.comemos.org.

Mais um projeto está em andamento entre o iFood e a Secretaria Municipal de Assistência. Diretamente no app do iFood, os usuários da plataforma podem fazer doações que serão convertidas em cestas básicas entregues pela ONG Ação da Cidadania. Parte dessas cestas serão entregues semanalmente no Banco de Alimentos de Campinas. Uma vez dentro do iFood, o usuário deve ir até a aba ‘Perfil’, selecionar o campo de “Doações”, escolher um dos três valores fixos disponíveis e fazer a doação.

Mapeamento dará suporte a políticas públicas

A frente de combate à pandemia da Unicamp Solidária, na área da ciência, já começou a criar ferramentas para o estudo de vulnerabilidade. Pesquisadores do Núcleo de Estudos de População (Nepo) da Unicamp em conjunto com técnicos da Secretaria de Assistência deram início a um levantamento de dados para mapear a população carente e desenhar uma radiografia permanente da realidade social e econômica em todas as regiões do município.

Marcelo Knobel, reitor da Unicamp, disse que o estudo inclui técnicas de georreferenciamento e que as ações sociais do Poder Público poderão ser realizadas com base nos estudos. “Políticas sociais poderão ser desenvolvidas neste período de pandemia, mas o suporte poderá ser mantido, mesmo após esse período de isolamento”, comentou Knobel. “É um valor agregado que a Unicamp Solidária vai proporcionar para a cidade.”

O monitoramento da distribuição de alimentos e produtos de higiene por parte do Banco de Alimentos é uma das iniciativas do estudo, que poderá criar um retrato exato da situação social da população beneficiada.

A iniciativa, coordenada pela Diretoria Executiva de Planejamento Integrado (Depi) da Unicamp — por meio de sua Coordenadoria de Georreferenciamento — vai gerar um mapa para identificar o público que deve receber cestas básicas e as potenciais instituições parceiras que podem fazer as entregas.

Knobel explicou que o mapeamento dos locais de distribuição das cestas básicas e sua relação com as áreas de moradia das famílias em situação de vulnerabilidade em Campinas é fundamental. “É importante para racionalizar a logística com o objetivo de aproximar ao máximo os locais de distribuição das pessoas de forma imediata. É fundamental também para compreender melhor a situação socioespacial do município e subsidiar políticas públicas de médio e longo prazos.”

As informações pessoais dos cadastrados contidas nos mapas só poderão ser divulgadas com autorização da secretaria.

Escrito por:

Gilson Rei