Publicado 29/05/2020 - 08h02 - Atualizado 29/05/2020 - 08h39

Por Gilson Rei

São 439 os profissionais da saúde que já foram infectados na cidade

Estadão Conteúdo

São 439 os profissionais da saúde que já foram infectados na cidade

O boletim epidemiológico divulgado ontem pela Prefeitura de Campinas confirma a tendência verificada em balanços anteriores de que o índice de mortes é maior entre pessoas de 60 anos ou mais e a contaminação do coronavírus é mais frequente nos jovens e adultos com idades entre 20 e 59 anos.
Os registros oficiais revelam que até o dia 26 de maio, Campinas tinha 62 mortes por Covid-19 e 50 delas eram de pessoas com 60 anos ou mais, um índice de 80,6% dos óbitos. No período, os hospitais contabilizaram 22 mortes de pessoas com 80 anos ou mais; seguido por mais 15 óbitos entre pessoas com idade entre 70 e 79 anos; além de mais 13 de pacientes na faixa dos 60 e 69 anos.
Os mais jovens representaram 19,4% das mortes no período. Foram oito óbitos entre pacientes de 50 a 59 anos; duas pessoas entre 20 e 29 anos; uma vítima com idade entre 40 e 49 anos e mais uma pessoa com idade entre 30 e 39 anos.
As pessoas mais jovens são as que mais se contaminam em Campinas. Os dados revelam que 986 pessoas positivadas com Covid-19 tinham idade abaixo dos 60 anos, representando 78,31% dos 1.259 infectados na cidade até 26 de maio.
A maioria foi de pessoas na faixa de 30 e 39 anos, com 323 registros confirmados. Em seguida, o boletim informou que 274 positivados com Covid-19 tinham entre 40 e 49 anos; e que 209 estavam na faixa de 50 a 59 anos. Completaram o quadro 148 pacientes com idade entre 20 e 29 anos; mais 22 pessoas entre 10 e 19 anos; além de 10 crianças com até 9 anos. Os 273 casos restantes de contaminados foram de pessoas com 60 anos ou mais, representando 21,69% do total de registros.
Outros dados
O boletim destacou que o maior número de casos foi de mulheres, com 700 registros, que significou 55,5% do total. Com relação à distribuição dos casos por distrito de residência, foi mantida a concentração na região Leste, sendo que os Centros de Saúde mais atingidos em número absoluto de casos foram CS Centro, CS Taquaral, CS São Bernardo, CS Barão Geraldo e o CS Aurélia, porém, com o aumento de número de casos nas demais regiões.
Do total de casos confirmados, 328 necessitaram de hospitalização (26,1% do total), sendo que a média de hospitalização foi de 9,3 dias. Vale destacar que dentre os casos confirmados, um total de 439 registros (34,9%) foram de profissionais de saúde (do setor público e privado).
Duas mortes e 66 novos casos são confirmados
Campinas atingiu ontem a marca de 67 mortes por Covid-19. A Prefeitura divulgou mais dois óbitos pelo novo coronavírus e um aumento de 66 casos confirmados, chegando agora a 1.353 pessoas infectadas (antes eram 1.287). O aumento de casos é de 5,1% em 24 horas. Entre as novas mortes estão um homem de 71 anos com doenças anteriores, que morreu em hospital público, e outro homem de 65 anos de idade, também com doenças prévias. Ambos perderam a vida ontem.
Quanto aos óbitos em investigação, a Prefeitura informou que a cidade totaliza 13 casos. Já entre as pessoas recuperadas, a cidade registrou até o momento 982 pessoas curadas. Carmino de Souza, secretário de Saúde, disse que os números indicam que o trabalho desenvolvido pelos profissionais da Saúde está surtindo bom efeito, pois há um índice importante de recuperados.
"Os números mostram que houve uma boa recuperação e que a maioria das pessoas contaminadas foi sintomática e se recuperou", afirmou o secretário.
Cármino alertou que os idosos continuam sendo a maior preocupação e que é preciso tomar muito cuidado com essa faixa etária. "Todos devem continuar em isolamento e as pessoas mais jovens devem manter o distanciamento", revelou.
Há ainda 343 casos em investigação; 121 pessoas internadas e 183 em isolamento domiciliar pela Covid-19. Foram descartados 2.819 casos (233 a mais que ontem).

Escrito por:

Gilson Rei