Publicado 09/05/2020 - 17h41 - Atualizado 09/05/2020 - 18h16

Por Daniel de Camargo

Colégio Adventista de Campinas

Wagner Souza/AAN

Colégio Adventista de Campinas

Para homenagear as mães dos cerca de 1,1 mil alunos matriculados sem infringir as recomendações das autoridades competentes em relação a pandemia da Covid-19, o Colégio Adventista de Campinas, instalado no bairro da Ponte Preta, organizou um sistema de drive-thru para entregar dois presentes: um livro sobre cuidados com a saúde e uma fôrma para cozinhar. As lembranças foram disponibilizadas ontem, entre as 9h e 15h, por três colaboradores, que usavam máscaras de proteção, entre outras medidas.
Porém a movimentação logo cedo em frente ao Colégio Adventista causou preocupação em alguns moradores da Ponte Preta que foram até o local tirar satisfações. Equivocadamente, pensaram que a instituição estava se preparando para realizar uma festa do Dia das Mães. Alguns moradores, entre eles uma vítima da Covid-19, denunciaram a ação à Prefeitura.
Uma mulher, de 38 anos, que prefere não se identificar, reside perto da escola. Segundo ela, a movimentação começou muito cedo e o som estava demasiadamente alto. Em isolamento domiciliar há 10 dias com o marido e dois filhos, de 12 e 14 anos, por ter apresentado sintomas da Covid-19, enfatizou ter ficado “indignada”. “Estou tomando cinco remédios e sendo monitorada pelo Ministério da Saúde, sem poder sair para o corredor pois há possibilidade de contaminar algum vizinho, e vejo isso”, esbravejou. Ela comentou ter sido atendida no Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e ter recebido recomendação para permanecer sem contato com pessoas fora do grupo familiar até o próximo dia 14. “Denunciei na Prefeitura”, encerrou.
Segundo a diretora da instituição, que atende crianças e adolescentes, do maternal ao Ensino Médio, Maria de Souza Oliveira, essa ação foi o caminho encontrado para não deixar passar desapercebida a data comemorativa de amanhã. Para evitar aglomerações, os detalhes foram organizados com antecedência. Primeiro, um comunicado foi enviado explicando como seria o procedimento. “Avisamos que eles não deveriam descer dos veículos”, frisou. Ontem, a entrega foi ordenada em três etapas. Na primeira, um colaborador conferia na portaria se a pessoa estava na relação de pais ou responsáveis pelos estudantes. Em seguida, o veículo era direcionado ao estacionamento. Lá, dois funcionários separados por 30 metros entregavam os dois presentes.
A diretora do Colégio Adventista lamentou o mal-estar e assegurou que todas as ações preventivas recomendadas estão sendo rigorosamente seguidas. A Prefeitura informou, em nota, que as denúncias sobre essas situações devem ser feitas pelo 156 e serão direcionadas para a Guarda Municipal, o Urbanismo e a Vigilância Sanitária, que atuam na área.

Escrito por:

Daniel de Camargo