Publicado 03/05/2020 - 10h20 - Atualizado 03/05/2020 - 10h20

Por Da Agência Anhanguera

A Mindfulness é uma forma de meditação que pode ser praticada por qualquer pessoa: técnica para iniciantes tem duração de apenas 3 minutos

Divulgação

A Mindfulness é uma forma de meditação que pode ser praticada por qualquer pessoa: técnica para iniciantes tem duração de apenas 3 minutos

A prática de Mindfulness, uma técnica de atenção plena, pode ajudar no combate ao sentimento de solidão durante a quarentena estabelecida pelo poder público em decorrência da pandemia da Covid-19. O médico e pesquisador Marcelo Demarzo, que reside em Campinas, explica que treinar a concentração fortalece “fatores individuais” de aceitação e ajuda o indivíduo a lidar com as relações.
Demarzo destaca que uma pesquisa realizada na China, o ponto inicial da pandemia, mostra que 20% da população já apresentam sinais de estresse pós-traumático causados pelo medo e isolamento. No Brasil, comenta, ainda não há registros de aumento no número de ligações para o Centro de Valorização à Vida (CVV), uma rede nacional de apoio e combate ao suicídio. Contudo, a instituição informou que a maioria dos relatos do último mês gira em torno do sentimento de solidão.
Demarzo analisa que a prorrogação da quarentena pode ampliar a sensação de desamparo diante da situação e, consequentemente, agravar e até resultar em casos patológicos, na hipótese de não haver a intervenção necessária.
“Do ponto de vista psicológico, o isolamento pode trazer sofrimento ou mal-estar, incluindo sintomas aumentados de ansiedade e depressão, confusão mental, aumento de emoções negativas e do sentimento de solidão. Esses sintomas podem se tornar mais intensos quanto maior o tempo de duração da quarentena”, explicou.
Para o médico, os efeitos do isolamento podem ser mais negativos em pessoas acima de 65 anos, o principal grupo de risco, que precisa lidar com a desconexão com o mundo e, também, com o medo do contágio. “O ‘pânico social’ acaba ocorrendo quando eventualmente temos contato com outras pessoas, pois imediatamente, de maneira automática, nossa mente interpreta que estamos sendo infectados e ficaremos doentes”, falou.
Atenção plena
Como forma de lidar com os sentimentos ruins em tempos de distanciamento social, o especialista sugere a prática de Mindfulness, ou atenção plena, que é uma forte aliada para o fortalecimento de “fatores individuais” que pode ajudar a combater o sentimento de se sentir só.
O exercício pode ser feito por qualquer pessoa em qualquer lugar, em diversos níveis, várias vezes ao dia. Uma das técnicas para iniciantes tem duração de apenas três minutos e pode ser conferida no perfil do Centro Mente Aberta no Spotify. Essa meditação é guiada por Demarzo, que fundou e coordena o Mindfulness Brasil, referência nacional e internacional nos programas e pesquisas sobre o tema. Para pessoas que tenham alguma doença aguda ou crônica, Demarzo recomenda o apoio de um instrutor qualificado e de um profissional da saúde.
“A solidão não é definida por estar sozinho, mas por se sentir sozinho. Assim, a atenção plena nos ajuda no desenvolvimento de habilidades pessoais para uma melhor perspectiva subjetiva frente a esse sentimento, evitando emoções negativas comuns nessas situações”, comentou.
Ao promover uma perspectiva mais saudável, o treinamento de atenção plena permite que a sensação ruim se amenize, sem afetar a saúde física e mental.
“A atenção plena nos ajuda a sentir mais à vontade conosco mesmos e também cria condições psicológicas mais adequadas para um maior envolvimento com os outros na vida cotidiana, prevenindo problemas de relacionamento, que também são comuns nessas situações de confinamento”, explicou.

Escrito por:

Da Agência Anhanguera