Publicado 22/05/2020 - 21h53 - Atualizado 22/05/2020 - 21h53

Por AFP


O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, culpou nesta sexta-feira (22) o governo de Nicolás Maduro pela saída do serviço de televisão paga DirecTV da Venezuela.

"Por que os venezuelanos não podem assistir ao Fútbol Total? Porque Nicolás Maduro expulsou a DirecTV. Proteger seus companheiros e seu dinheiro é mais importante do que permitir que dez milhões de cidadãos acessem informações sem censura", escreveu Pompeo no Twitter.

O "Fútbol Total" é um programa esportivo popular sobre times de futebol europeu e sul-americano, transmitido pela DirecTV Sports para a América Latina.

O serviço de TV paga por satélite DirecTV ficou indisponível na Venezuela na terça-feira, quando seu proprietário, a gigante de telecomunicações americana AT&T, anunciou sua retirada "imediata" do mercado na Venezuela, citando a impossibilidade de respeitar as sanções ao mesmo tempo de Washington que afetam o governo Maduro e as demandas de Caracas para operar no país.

A empresa de Dallas, no Texas, explicou que as sanções econômicas do governo Donald Trump à Venezuela impediram a inclusão da Globovisión e do canal da estatal Petróleos da Venezuela, PDVSA TV, na grade da DirecTV.

Acrescentou que a transmissão de ambos os canais era exigida pela licença concedida pelo governo de Maduro para fornecer serviço de TV paga na Venezuela.

De acordo com a empresa estatal venezuelana Conatel, no segundo trimestre de 2019, a DirecTV cobria 45,32% do mercado de televisão por assinatura, estimado em 4,3 milhões de clientes nesse período.

Pompeo não comentou a decisão desta sexta-feira do mais alto tribunal da Venezuela de ordenar a apreensão "imediata" de bens e equipamentos no país da DirecTV, de propriedade da de AT&T.

ad/yow/lca

DIRECTV

AT&T CORPORATION

Twitter

Escrito por:

AFP