Publicado 22/04/2020 - 10h52 - Atualizado 22/04/2020 - 10h52

Por Das agências

INSS suspende prova de vida por quatro meses

Divulgação

INSS suspende prova de vida por quatro meses

Beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) não terão interrupção nos pagamentos por não realizar a prova de vida pelos próximos quatro meses — o prazo vale a partir de março. A suspensão do procedimento faz parte das medidas estabelecidas pelo órgão para enfrentamento do Covid-19 (Coronavírus), com o objetivo de reduzir o risco de contágio entre cidadãos.
As medidas foram divulgadas por meio da Portaria 373/2020. A decisão vale tanto para os residentes no Brasil, como para quem mora no Exterior e inclui o procedimento realizado por meio de agendamento em domicílio.
Em situações normais, a prova de vida é feita pelo segurado anualmente para comprovar que ele está vivo e garantir que o benefício continue sendo pago.
A partir de abril, os benefícios do INSS também serão mantidos, sem a necessidade de apresentação de declaração de cárcere, de CPF ou da execução do programa de Reabilitação Profissional, entre outras rotinas habituais que exigiam a presença física do segurado. Cabe ressaltar que as medidas decorrentes do estado de emergência pública podem ser prorrogadas enquanto perdurar a pandemia.
O INSS reitera que os segurados não precisam se deslocar até uma agência para ter acesso aos serviços ou pedir um benefício. Basta acessar o Meu INSS por meio do site http://gov.br/meuinss ou ligar para a Central 135, que funciona de segunda a sábado de 7h às 22h.
O segurado só deve buscar atendimento presencial se for imprescindível, como, por exemplo, em caso de perícia médica.
Décimo-terceiro salário
A antecipação do 13° salário para aposentados e pensionistas do INSS começa nesta semana. A medida faz parte das ações do governo federal para enfrentar a crise causada pela pandemia do novo coronavírus. A primeira parcela começará a ser paga a partir desta sexta-feira, seguindo o mesmo calendário de pagamento do benefício e corresponde a 50% do valor total do 13°.
A segunda parcela será paga entre os dias 25 de maio a 5 de junho, com a cobrança de impostos. A despesa prevista pelo governo é de R$ 23 bilhões. Valor semelhante será disponibilizado em maio, no pagamento da segunda parcela. No ano passado, a primeira e a segunda parcela foram pagas em setembro e novembro.

Escrito por:

Das agências