Publicado 05/04/2020 - 11h19 - Atualizado 05/04/2020 - 11h19

Por Do Correio

Solidariedade, o lado positivo da pandemia

Wagner Souza/AAN

Solidariedade, o lado positivo da pandemia

Solidariedade. Essa é a palavra positiva e acalentadora em meio à crise trazida pela pandemia de coronavírus. Com o drama humano instaurado entre os mais carentes e vulneráveis, a sensibilidade ao sofrimento alheio tem feito surgir toda espécie de iniciativas voltadas a apoiar e ajudar os mais necessitados. Uma corrente do bem tomou Campinas e região com objetivo de ajudar ao próximo, numa demonstração que como as coisas podem funcionar quando a cooperação e a empatia prevalecem.
Grupos de voluntários formados entre amigos, moradores de bairros, entidades, igrejas, empresários e até mesmo entre desconhecidos conectados pela comoção estão fazendo a diferença na vida de muitas pessoas. A distribuição de cestas básicas nos bairros mais carentes de Campinas, como o Jardim Santa Mônica e o Parque Oziel, trazem o alento da comida na mesa. Em um caso citado em reportagem do Correio desta semana, moradores em situação de rua receberam marmitas de um casal que comprou alimentos com dinheiro do próprio bolso e preparou a comida para distribuir. Na região do Campo Belo, um desempregado deu início ao empréstimo de livros neste tempo de isolamento social.
Pensando nas equipes da Saúde, que estão na linha de frente na guerra contra a Covid-19, microempresários de uma destilaria de Joaquim Egídio doaram um lote de mil litros de álcool etílico 70% para ser usado em higienização. Por outro lado, uma campanha lançada por meio de carta aberta à população da RMC pede doações ao Hospital de Clínicas da Unicamp, um dos centros de referência para a recepção e tratamento de casos de coronavírus no Estado de São Paulo. Em outra frente ainda, mosteiro localizado em Indaiatuba disponibilizou quartos para receber profissionais da Saúde que trabalham na luta contra a pandemia que não podem — ou não conseguem — voltar para casa.
Em outra perspectiva, motivar para se manter em movimento durante a quarentena e fornecer apoio psicólogo gratuito pelas redes sociais foram outras formas de doação. Uma maneira gentil de contribuir neste momento delicado por que todos passam, deu-se também ao se prestar auxílio a idosos e doentes impossibilitados de sair de casa.
São apenas alguns exemplos, dentro desta grande onda do bem gerada pela crise do coronavírus. Ações de solidariedade e gentileza são mais importantes do que nunca, principalmente nas circunstâncias atuais.

Escrito por:

Do Correio