Publicado 05/04/2020 - 06h00 - Atualizado 04/04/2020 - 15h16

Por Do Correio

Sepultado Dr. Sylvino de Godoy

Reprodução

Sepultado Dr. Sylvino de Godoy

SEPULTADO ONTEM O DR. SYLVINO DE GODOY
O valor de um homem de bem mede-se pela consideração e estira que a comunidade lhe empresta e dedica. Dentro deste padrão, um ilustre foi ontem pranteado em seu sepultamento por toda uma cidade: Campinas, através de seus chefes e do povo, lamenta a morte do Dr. Sylvino de Godoy, diretor-presidente do Correio Popular e credor da gratidão dos homens de sua terra. Um prestante cidadão - esta imagem simples mas vigorosa, despojada de artifícios porém rica de autenticidade em sua expressão, será a chancela maxima do exemplo que deixa como legado. Dirigente natural, impunha-se pelo espirito de justiça, pela mentalidade aberta ao diálogo, pela argumentação válida e principalmente sólida, própria dos que tem o arejamento e a visão vasta dos horizontes ilimitados dentro de sua área de reflexão.
 
370 MILHÕES DE DÓLARES PARA A "APOLLO-13"
A viagem Terra-Lua-Terra da Apolo-13 custará 370 milhões de dólares, soma que, segundo afirmaram hoje os observadores científicos, pode ser exorbitante ou insignificante conforme o angulo em que for considerado. Se calcularmos o custo da viagem "por quilômetro", o preço parecerá ridiculamente baixo, 500 dólares por mil metros percorridos dos 760.000 quilômetros totais, já que a distância entre a Terra e a Lua é de 380 000 quilômetros. Se o calculo for feito por dia, a media é nitidamente mais alta: 37 milhões cada 24 horas e por cada hora será 1.540.000 dólares.
 
FRANÇA ADOTA MEDIDAS CONTRA SABOTADORES
A França tomou uma série de medidas preventivas contra os sabotadores e piratas aéreos declarou hoje o Ministro dos Transportes Raymond Mondon. Numa reportagem consagrada a "defesa contra a pirataria aérea", que foi publicada no matutino parisiense Le Figaro, o chanceler francês afirmou que tais medidas vinculadas tanto com a vigilância dos aviões como com a dos passageiros, serão aplicadas pelos aeroportos e pelas companhias. Em Orly e em outros aeroportos franceses, certo numero de aparelhos serão, desde agora, colocados em amplos terrenos de estacionamento, suficientemente isolados para ficarem
protegidos de lançamentos de granadas e permitir uma vigilância mais eficaz.

Escrito por:

Do Correio