Publicado 29/03/2020 - 09h59 - Atualizado 29/03/2020 - 10h00

Por Da Agência Anhanguera

Tendas instaladas na universidade: enfrentamento do coronavírus

Leandro Ferreira/AAN

Tendas instaladas na universidade: enfrentamento do coronavírus

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) colocou em operação esta semana, uma força-tarefa para cuidar exclusivamente de medidas de enfrentamento ao coronavírus Covid 19. Liderada por professores do Instituto de Biologia, a força-tarefa tem como objetivo estruturar a universidade e a comunidade acadêmica para os momentos mais críticos da pandemia, previstos para ocorrerem nas próximas semanas.
Os professores lembram que a Covid 19 tem alarmado o mundo pelo efeito devastador que tem provocado no sistema de saúde de todos os países que tiveram pessoas infectadas. Segundo eles, a doença tem causado grande preocupação pois produz efeitos de níveis diferentes, como a disseminação pela via respiratória; transmissão que pode ocorrer por pessoas assintomáticas e o efeito sobre o sistema respiratório de pessoas com condição de saúde fragilizada.
"Esta combinação faz com que a contaminação se espalhe tão rapidamente que o número de leitos disponíveis no sistema de saúde não é suficiente para atender à demanda de internação. O resultado prático são mortes não necessariamente pelo vírus, mas pela falta de capacidade de atendimento adequado", explicam os especialistas. "Se somados os casos de Covid-19 e as demais condições de saúde que necessitam de internação, a previsão de colapso do sistema de saúde nacional em função da pandemia é para o final de abril", alertam eles.
Por conta desse cenário, duas iniciativas, são fundamentais, dizem eles: o isolamento social precoce e a preparação antecipada do sistema de saúde.
A Força-Tarefa Unicamp Contra-Covid-19 deverá atuar em frentes como a do "Diagnóstico". A ideia é padronizar protocolos, produzir controles e auxiliar a implantação de teste nos laboratórios de patologia clínica do Hospital das Clínicas da Unicamp e outros laboratórios de diagnóstico em Campinas.
Haverá ainda, a "Frente de Pesquisa e Desenvolvimento", composta por um grupo de pesquisadores trabalhando no desenvolvimento e implementação de testes que possibilitem diagnóstico em larga escala para estas unidades de saúde. Tem também a "Frente de Pesquisa Básica" - que tem como objetivo utilizar toda a capacidade de pesquisa e inovação instalada na Unicamp para buscar descobertas científicas que possibilitem maior compreensão da ação do vírus, do desenvolvimento da doença e da ação de fármacos com potencial de reverter o quadro da infecção.
Os pesquisadores montaram ainda a "Frente de Divulgação", que prestará o serviço de levar, em tempo real, os progressos científicos da Força tarefa à comunidade, como atuar junto à sociedade no fornecimento de informações confiáveis sobre a pandemia e a "Frente de Captação de Recursos" - que visa garantir a sustentabilidade da força-tarefa e auxiliar na estruturação da capacidade do Hospital das Clínicas da Unicamp e outros laboratórios de diagnóstico em Campinas em lidar com esta pandemia.
Estão previstas ainda a “Frente de Articulação”, a “Frente de Ensaios Clínicos” e a “Frente de Modelagem Epidemiológica”.

Escrito por:

Da Agência Anhanguera