Publicado 26/03/2020 - 12h01 - Atualizado 26/03/2020 - 14h37

Por Maria Teresa Costa

Procissões e Lava-Pés são suspensas

Divulgação

Procissões e Lava-Pés são suspensas

As procissões e a cerimônia do Lava-Pés da Semana Santa, que tem início no próximo dia 5, foram suspensas pelo arcebispo de Campinas, d. João Inácio Müller. As procissões foram transferidas para 12 e 13 de setembro, próximo à Festa da Exaltação da Santa Cruz. Em comunicado ao clero, o arcebispo determina que as igrejas se mantenham fechadas até 12 de abril, com a dispensa temporária dos funcionários até que haja nova determinação do poder público ou da Arquidiocese.
Como medida de enfrentamento da pandemia de coronavírus, nesse período estão suspensas as celebrações eucarísticas ordinárias com fieis e os padres devem continuar com as celebrações de forma privada, medida que vem sendo adotada há dez dias.
A Missa do Crisma, na quinta-feira, às 9h30, na Catedral, será celebrada pelo arcebispo, mas sem a presença do clero, do povo e do coral, e será transmitida ao vivo pela TV Século XXI. O Vigário Geral, o Cura da Catedral, o Cerimoniário do Bispo e o Diácono Diego concelebrarão.
No período conhecido como Tríduo Pascal foi definido que, na quinta-feira, às 19h, haverá missa na Catedral presidida pelo arcebispo, sem o rito do Lava-Pés e sem a presença do clero e do povo. Na Sexta-Feira da Paixão, a missa da Paixão do Senhor será às 15h, e a missa pascal, no sábado, às 19h, ambas serão celebradas pelo arcebispo, mas sem participação do clero e dos fiéis.
O arcebispo orientou que em todas as paróquias e nos mesmos horários, sejam realizadas, de forma privada, as celebrações do Tríduo Pascal. A Vigília Pascal, na Catedral, a celebração seguirá o mínimo exigido pela Liturgia, para que não se torne cansativa para os telespectadores. A celebração da Páscoa será às 10h.
No comunicado, o arcebispo observa que nesse tempo de pandemia, todos são conclamados a cuidar de si e dos outros de maneira ímpar, com o distanciamento social. “Este é um modo de sermos servos de todos. Como nunca, sabemos que a vida é dom frágil e compromisso de todos por todos. Em tempo de coronavírus, o distanciamento social se impõe”, afirmou.

Escrito por:

Maria Teresa Costa