Publicado 25/03/2020 - 16h17 - Atualizado 25/03/2020 - 16h20

Por Adriana Menezes

Até 90% dos voos domésticos foram cancelados no Aeroporto de Viracopos

Leandro Ferreira/AAN

Até 90% dos voos domésticos foram cancelados no Aeroporto de Viracopos

O Aeroporto Internacional de Viracopos teve redução de 66% nos seus voos domésticos esta semana, registrando somente no domingo (22/03) o cancelamento de 177 voos em território nacional. A companhia aérea Azul reduzirá 90% da sua capacidade viária de hoje até o dia 30 de abril de 2020. Em Campinas, a medida representa o cancelamento de cerca de 135 voos do total de 150 que a Azul opera na cidade. Apenas cerca de 15 voos da Azul serão mantidos em Viracopos. Em função das medidas de contenção da disseminação do coronavírus implementadas em todo o país, as companhias aéreas estão cancelando voos previstos e divulgando aos passageiros como devem proceder.
Na malha de passageiros de voos domésticos (operações nacionais) do Aeroporto de Viracopos, das 269 operações previstas no dia 22/03, apenas 92 foram realizadas, o que representou uma redução de 66%, com 177 cancelamentos de voos. De hoje a sábado, estão previstos 1.076 operações, numa média aproximada de 270 por dia. Não há anúncio de previsão de cancelamentos pelo aeroporto porque eles acontecem de acordo com a demanda de cada companhia aérea, mas quem tentou na última semana comprar passagem pela internet já percebeu o cancelamento de voos que antes eram regulares. Quem fez a compra antes das medidas de contenção do vírus, deve agora negociar com cada companhia o novo agendamento ou o reembolso, com base na Medida Provisória 925.
Novos planos
No dia 1º de março, o casal Mariane e Bene Botelho comprou passagem para Belém (PA), com embarque marcado para o dia 26 de junho e retorno previsto para dia 1º de julho. “Estamos aguardando mais informações da empresa para alterar a data da viagem pois tomamos conhecimento pela imprensa que serão permitidas alterações sem prejuízo para os clientes. Pela informação poderemos prorrogar para uma data até 12 meses a partir da data da viagem, ou seja, teoricamente podemos remarcar até para 26/6/21”, diz Mariane.
De acordo com a Medida Provisória 925, no caso de clientes prejudicados pelas alterações e que optem pelo reembolso, eles poderão receber o valor em 12 meses. Já os não prejudicados pelas alterações que optarem pelo reembolso estarão sujeitos às taxas vigentes em contrato e só receberão o valor em 12 meses, também de acordo com a Medida Provisória 925.
Os clientes de voos domésticos da Azul, por exemplo, com passagens marcadas até 30 de novembro de 2020, podem “alterar a viagem, sem taxas, mas com a cobrança da diferença tarifária, podendo mudar o voo para até 30 de novembro de 2020; ou cancelar a viagem, deixando o valor como crédito para outros voos com a Azul, sem a aplicação de taxas por esse cancelamento”.
Internacionais
A redução nas operações internacionais de Viracopos chegou a 46%. No domingo dia 22/03, Viracopos teve o cancelamento de seis operações na malha de passageiros internacionais, reduzindo de 13 para sete. De hoje (25/03) até sábado (28/03), estão previstas 56 operações nesta mesma malha internacional, ainda sem previsão de cancelamento. A designer gráfica Isabella Machado, de 28 anos, teve sorte de não ter comprado um dos voos cancelados. Ela embarcou em Madri na última segunda-feira e chegou em Campinas ontem pela manhã (24/03), após dez horas de viagem.
“Vim porque fiquei preocupada com meus pais e porque as coisas estão ficando muito feias por lá, com possibilidade de um prolongamento das medidas. Eu estava confinada. Comprei passagem na segunda, o aeroporto estava vazio, o avião estava vazio, mas o voo aconteceu sem problema pela Air Europa. Deu tudo certo”, descreve Isabella. Segundo a designer, que mora há um ano e meio na Espanha e agora está em confinamento voluntário na casa dos pais, em Campinas, em nenhum momento lhe fizeram perguntas nos aeroportos.
“Ninguém falou comigo. Há anúncios nos aeroportos, mas ninguém me recomendou fazer quarentena quando chegasse ao Brasil, nenhuma mensagem direta. Fiz por iniciativa própria. Nem abracei minha família, como gostaria, e estou isolada dentro de casa por enquanto. No táxi, abri as janelas e evitei contatos. As únicas recomendações que me deram era no caso de eu ter sintomas para procurar as autoridades de saúde, mais nada. Procurei máscara antes de embarcar em Madri, mas não achei. Parte da tripulação usava máscara, mas não me forneceram”, diz Isabella, que acha que deveria haver uma abordagem mais direta com os passageiros.
Todos os protocolos praticados nos aeroportos brasileiros são estabelecidos pela Anvisa. Os funcionários que atuam no contato direto com os passageiros, por exemplo, devem usar os equipamentos necessários de proteção conforme recomendação da Anvisa.
Segundo a assessoria de imprensa de Viracopos, “a concessionária Aeroportos Brasil Viracopos esclarece que segue todas as recomendações da Anvisa e coopera com os órgãos federais e companhias aéreas. A concessionária mantém alertas sonoros, em três idiomas, para todos os passageiros e colaboradores. A atuação no possível controle de temperatura dos passageiros que chegam em voos internacionais é prerrogativa de órgãos de saúde, sejam eles federais, estaduais ou municipais.” O órgão de saúde responsável pelo controle de passageiros em portos e aeroportos internacionais é a Anvisa, que emite as notas técnicas com recomendações e orientações.
São considerados voos essenciais – portanto, os que não podem ser cancelados - aqueles que trazem insumos para o abastecimento da população. O Terminal de carga de Viracopos é um dos maiores do país e recebe diariamente aviões cargueiros com insumos para as indústrias farmacêuticas e alimentícia. O terminal de carga fica separado do terminal de passageiros.
Azul
Por meio de nota divulgada à imprensa, a Azul informou que: “Em função das medidas de contenção e quarentena que estão sendo implementadas em todo o país e que limitam significativamente a mobilidade de Clientes, Tripulantes e parceiros, a Azul, de 25 de março a 30 de abril de 2020, irá operar somente 70 voos diários para 25 cidades, o que representa uma redução de 90% na capacidade total da malha da empresa. As cidades são: Campinas (SP), Belo Horizonte (MG), Recife (PE), Belém (PA), Brasília (DF), Cuiabá (MT), Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Fernando de Noronha (PE), Fort Lauderdale (EUA), Florianópolis (SC), Goiânia (GO), Manaus (AM), Montes Claros (MG), Orlando (EUA), Palmas (TO), Porto Alegre (RS), Porto Velho (RO), Rio de Janeiro -Santos Dumont (RJ), São Luís (MA), Salvador (BA), Tefé (AM), Tabatinga (AM), Uberlândia (MG) e Vitória (ES).”

Escrito por:

Adriana Menezes