Publicado 17/03/2020 - 09h38 - Atualizado 17/03/2020 - 09h38

Por Gilson Rei

O aviso sobre a falta de álcool e máscaras é recorrente nos estabelecimentos comerciais de Campinas

Leandro Ferreira/AAN

O aviso sobre a falta de álcool e máscaras é recorrente nos estabelecimentos comerciais de Campinas

É praticamente impossível encontrar álcool gel e máscaras de proteção em Campinas. Esses itens de proteção para evitar o contágio são artigos cada vez mais raros em lojas especializadas, farmácias, supermercados e outros estabelecimentos. Além da demanda ser maior que a oferta, no caso da máscara biológica (mais eficiente) há também a falta de matéria-prima do TNT, que vem da China e que está em falta para os fabricantes.
A reportagem do Correio percorreu dezenas de estabelecimentos ontem e todos os gerentes alegaram que os distribuidores não deram prazo para atender aos pedidos de reposição. Muitos locais colocam até avisos aos consumidores de que não há previsão de entrega. Quando algum lote chega, acaba em poucas horas.
É o caso da Cirúrgica Clinical Artigos Hospitalares, que vende estes produtos há 40 anos na Galeria Trabulssi, no Centro. Maurício Godoy, proprietário da loja, disse que desde o anúncio do coronavírus, a procura por estes artigos vem aumentando gradativamente e que na semana passada deixou de ser entregue para ele. "Por dia recebo pelo menos mil pessoas na loja procurando por máscara e álcool gel. Porém, os distribuidores alegam que não têm produto porque falta o TNT vindo da China, que é mais eficiente para se proteger", afirmou.
Segundo Godoy, as poucas máscaras produzidas são entregues em hospitais e clínicas médicas, que têm prioridade. "A 3M, que faz a máscara biológica, por exemplo, informou que vai conseguir atender parte do pedido que eu fiz de 10 mil máscaras. Vão entregar mil unidades, mas não tem previsão", comentou. "A máscara mais simples, de uso descartável e eficiente por poucas horas, está também em falta. Entregaram apenas 60 caixas e não deram também previsão de quanto e quando poderão fazer nova entrega", disse. O álcool gel foi entregue na loja há 15 dias e os 500 frascos acabaram em dois dias.
O álcool gel não estava disponível também nas farmácias das redes Drogasil, Droga Raia, Farmáxima e Drogaria São Paulo. O cenário foi o mesmo nos hipermercados Extra, Dia, Pão de Açúcar e Pague Menos. Na loja Kalunga, a gerente informou que não havia previsão de chegada do álcool gel e que quando chega não fica nem duas horas nas gôndolas.
Lista
Lojas especializadas em produtos de limpeza enfrentam também a falta de oferta. No Centro, a proprietária da Alpha Limpeza, Vanessa Ramos, disse que faz atualmente lista de espera. "Quando o produto chega eu aviso que chegou para a pessoa vir buscar", disse. Segundo ela, a venda de álcool gel aumentou 30 vezes quando o coronavírus começou a ser noticiado. "O volume de frascos que eu vendia durante o mês passou a ser vendido por dia", comparou.

Escrito por:

Gilson Rei