Publicado 13/03/2020 - 07h44 - Atualizado 13/03/2020 - 07h44

Por Henrique Hein

Sala de aula vazia na Unicamp: instituição decidiu por suspender aulas até o dia 29 de março para evitar propagação da doença nos campi

Leandro Ferreira/AAN

Sala de aula vazia na Unicamp: instituição decidiu por suspender aulas até o dia 29 de março para evitar propagação da doença nos campi

A preocupação com o rápido aumento no número de casos confirmados do novo coronavírus (Covid-19) no Brasil provocou ontem uma reação em cadeia e levou duas universidades de Campinas a suspenderem suas atividades a partir de hoje — outras três instituições de ensino também tomaram medidas contra a propagação do vírus. A enfermidade ainda obrigou a Secretaria de Esportes do município a cancelar todas as atividades voltadas a população de idosos. Já o Ministério Público e a Câmara adiaram audiências públicas temendo o favorecimento de contaminação por conta de aglomerações.
No final da manhã, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) suspendeu todas as suas atividades até o dia 29 de março (inclui os campi de Limeira e Piracicaba) e informou que apenas os serviços essenciais funcionarão no período. A notícia pegou alunos e profissionais de surpresa e gerou preocupação, mesmo com a Unicamp informando que nenhum caso confirmado da doença foi diagnosticado no Hospital das Clínicas (HC).
Aluno do curso de música, o estudante Gabriel Silva, de 22 anos, contou que ficou sabendo da suspensão das atividades por meio de amigos. Segundo ele, a medida tomada, apesar de radical, é bem-vinda. "Eu acho que é bom tomar esse cuidado, porque estamos falando de uma pandemia que já matou muitas pessoas. Se um aluno tiver a doença e for assistir aula é fácil de passar para todo mundo" , afirmou. "Já estão correndo vários boatos de que têm professores que voltaram recentemente da Itália e tudo mais. Melhor prevenir do que esperar o pior acontecer" , concluiu.
Além de Gabriel, a estudante Kyene Becker da Silva, de 28 anos, também foi pega de surpresa ontem com a notícia. Prestes a apresentar a defesa de seu mestrado no dia 26 de março, ela terá agora que esperar mais tempo para poder concluir os estudos. "Minha banca foi suspensa, por orientação do meu programa de pós-graduação. Meu orientador acabou de voltar da Europa e está evitando contato com as pessoas", destacou a jovem, que concordou com a decisão tomada pela Unicamp. "Vejo isso como uma medida preventiva para evitar que haja um ‘boom’ da doença dentro da universidade".
Outras instituições
Além da Unicamp, as Faculdades de Campinas (Facamp) também suspenderam as atividades no campus. Em nota, a direção da universidade destacou que tem acompanhado o desenvolvimento da pandemia e que já orientou alunos, professores e funcionários em relação às precauções que devem ser tomadas. "Diante da evolução da epidemia nessas últimas quarenta e oito horas, a Direção da Facamp julga prudente suspender as atividades acadêmicas do dia 13 ao dia 22 de março.
Nesse período, acompanharemos o desenrolar dos fatos e, se necessário, tomaremos providências adicionais que serão imediatamente comunicadas à comunidade acadêmica", informou em nota. No final da tarde, a Universidade Presbiteriana Mackenzie comunicou que aguarda orientações do Ministério da Saúde e que avalia a possibilidade de suspender as aulas a partir da próxima segunda-feira, dia 16. Já a Faculdade São Leopoldo Mandic anunciou que vai transferir as aulas dos cursos de graduação para ensino a distância. Também em nota, a faculdade destacou que a suspensão passa a valer a partir de hoje.
Além disso, a PUC-Campinas informou que está acompanhando o avanço da pandemia e que criou um comitê para acompanhar o desenvolvimento da doença. "O grupo tornará público ainda hoje (amanhã) o protocolo de ações da universidade, inclusive os procedimentos em relação às demais atividades acadêmicas", destacou a nota. "Considerando a ausência de casos confirmados em Campinas, as aulas na Instituição estão mantidas", esclareceu o documento.
Órgãos públicos
A Câmara Municipal de Campinas informou ontem que cancelou as audiências públicas marcadas para hoje e para a próxima terça-feira. A decisão partiu do presidente da Comissão de Constituição e Legalidade da Casa, o vereador Luiz Cirilo (PSDB), que levou em consideração a orientação do vereador Pedro Tourinho (PT), que é médico e integrante da Comissão de Planejamento Estratégico de Emergência para desenvolver estratégias e ações de prevenção ao Coronavírus no âmbito do Poder Legislativo.
As audiências desmarcadas discutiriam: um projeto de lei que visa alterar regras do Instituto de Previdência Social do Município de Campinas (Camprev) e outros três projetos de resolução que fazem alterações no regimento interno da Casa. A ameaça do coronavírus também fez com que o Ministério Público de Campinas anunciasse ontem a suspensão da audiência pública que debateria hoje o edital de licitação para a concessão do sistema de transporte coletivo do município.
Eventos
O secretário de Esportes, Dário Saadi anunciou no final da tarde, o cancelamento de todas as atividades esportivas destinadas a idosos, em razão do risco maior de contaminação dessa população. A medida atinge as 112 atividades organizadas pela secretaria - como ginástica, dança, competições esportivas - das quais participam perto de 10 mil idosos. "Tomamos essa decisão, porque esse é o grupo mais vulnerável à contaminação", explicou o secretário.
Segundo ele, a orientação geral é que as pessoas evitem aglomerações, especialmente as que apresentam sintomas de crise respiratória", disse. Além dos eventos esportivos, a Prefeitura de Campinas também informou que o St. Patrick’s Weekend - evento que estava marcado para ocorrer neste sábado e domingo na Torre do Castelo - foi cancelado pela Associação Brasileira de Comida de Rua (Abracor), por causa da pandemia do coronavírus.
SAIBA MAIS
VEJA OS SERVIÇOS QUE FORAM MANTIDOS PELA UNICAMP
A Reitoria da Unicamp anunciou no final da tarde de ontem as atividades que não serão interrompidas durante a suspensão das aulas entre os dias 13 a 29 de março, em razão da pandemia de coronavírus. Em nota, a universidade informou que os hospitais da área de saúde, incluindo Hospital de Clínicas, Hospital da Mulher (Caism) e Hemocentro, funcionarão normalmente, com todos os serviços de assistência à população. A única exceção é o Centro de Saúde da Comunidade (Cecom), que funcionará de maneira parcial. A unidade manterá as consultas ambulatoriais, inclusive o pronto atendimento e assistência odontológica. No entanto, manterá as atividades coletivas suspensas, como o Mexa-se.
A Unicamp também destacou que o calendário de matrículas referente à 7ª e 8ª chamadas será mantido e que a única mudança é que as matrículas deverão ser feitas de maneira eletrônica diretamente no site da Convest. Já a Divisão de Educação Infantil e Complementar (Dedic) atenderá apenas filhos de profissionais que atuam na área da saúde. Serviços terceirizados seguem normalmente, assim como obras e atividades das empresas que integram o Parque Tecnológico.
Também estão mantidos o serviço de ônibus fretado e o restaurante universitário da Rua Sergio Buarque de Holanda, que realizará o fornecimento de refeições para estudantes bolsistas do Serviço de Apoio ao Estudante (SAE). Além dele, o restaurante do Hospital de Clínicas (HC) também funcionará. Os demais pontos de alimentação estarão fechados.
Além disso, a universidade informou que está mantida a realização das provas dos concursos públicos programados para 15 de março, organizados pela Fundação para o Vestibular da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Vunesp). A Divisão Geral de Recursos Humanos (DGRH) também manterá o cronograma de férias, licenças e pedidos de aposentadoria em andamento.
Casos suspeitos chegam a 35 na cidade
A Prefeitura de Campinas informou ontem que subiu para 35 o número de casos suspeitos do novo coronavírus (Covid-19) na cidade. A informação foi divulgada pelo secretário de Saúde, Carmino de Souza. Segundo ele, a maior parte dos investigados é formada por pessoas que viajaram ao Exterior e tiveram sintomas similares ao do coronavírus. Desde o começo do mês, a informação que se tinha era de que a cidade investigava 11 casos suspeitos. (AAN)
Suspensão de aulas na rede municipal é avaliada
O prefeito Jonas Donizette (PSB) informou que não está descartada a possibilidade de suspensão das aulas na rede municipal por causa da pandemia do novo coronavírus, mas que, por ora, não há necessidade de a medida ser adotada. “Estamos monitorando a situação, criei o Comitê de Enfrentamento ao Covid 19, com um grupo intersetorial, que está centralizado no meu gabinete, para acompanhar a situação e adotar medidas mais urgentes caso seja necessário”, afirmou.
Segundo o prefeito, muitas famílias dependem das escolas e creches para deixar os filhos e poderem trabalhar e, por isso, a avaliação tem que ser cuidadosa para não tomar atitudes desregradas que possam prejudicar a vida de muitas pessoas. Ele avaliou que a decisão da Unicamp, que decidiu suspender as atividades a partir de hoje, é diferente, porque muitas das atividades podem ser feitas à distância. “Hoje avaliamos que não precisamos adotar medidas drásticas, mas se houver agravamento da situação, as aulas poderão ser suspensas”, disse.
O governador João Doria (PSDB) também negou a necessidade imediata de medidas mais drásticas, como a suspensão de atividades em repartições públicas e escolas. Todos os eventos culturais, esportivos e religiosos que reúnem grande público estão mantidos. "Não é razoável paralisar, de maneira precipitada, um estado com quase 46 milhões de habitantes", afirmou. (Maria Teresa Costa/AAN)
Associação divulga guia para bares e restaurantes
Diante da pandemia do coronavírus, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) criou um guia de como lidar com a prevenção em bares e restaurantes. O material poderá ser baixado gratuitamente - em forma de e-book - e é destinado tanto aos empresários do segmento de alimentação fora do lar, como à população em geral. O material completo está disponível no site https://abrasel.com.br.
O manual traz recomendações de higiene, procedimentos e relacionamento dos funcionários e clientes. Além disso, o guia prático para bares e restaurantes traz uma breve explicação sobre o que é o vírus, como ele age no sistema imunológico das pessoas, as formas de contaminação e transmissão, boas práticas de segurança de alimentos, higienização do local e outros alertas. A Abrasel está recomendando aos seus associados que o material seja colocado em lugar de evidência para o conhecimento dos clientes e também divulgado entre a equipe de atendimento e cozinha.
Os principais pontos destacados no manual abordam, entre outros temas, a orientação junto aos funcionários, mostrando a importância de seguir os procedimentos de higiene na cozinha, no salão e no escritório. Uma dica é lavar as mãos várias vezes ao dia e ter pias abastecidas com sabão, papel-toalha e álcool 70%. (Gilson Rei/AAN)

Escrito por:

Henrique Hein