Publicado 27/03/2020 - 06h00 - Atualizado 26/03/2020 - 14h25

Por Do Correio

Lava-Pés na Catedral Metropolitana

Reprodução

Lava-Pés na Catedral Metropolitana

VÁ A IGREJA: É SEXTA FEIRA DA PAIXÃO
A Semana Santa atinge hoje um de seus pontos culminantes. Segundo o culto cristão, Jesus está morto, depois de uma noite inteira de padecimentos nas mãos do governador romano, Pôncio Pilatos, do povo e de seus acusadores judeus. Os ritos apesar de ganharem em simbolismo, tem uma concepção mais atualizada em 1970. As imagens não estão cobertas de rôxo como acontecia antes e não há mais a procissão do Senhor Morto. Esta última parte foi substituída por urna Via Sacra, que aqui em Campinas, vai ter lugar na praça José Bonifácio, em frente à Catedral Metropolitana. Ontem, dia da Sagração dos Santos óleos, o programa foi vasto e começou às 9,30 horas com a presença do Colendo Cabido Metropolitano, do Conselho Presbiterial e do Seminário Metropolitano.
 
MDB EXIGE DO GOVÊRNO A LIBERDADE DE MANIFESTAÇÃO
O senador Oscar Passos, presidente nacional do MDB, antes de embarcar para o Rio, concedeu entrevista exclusiva ao "O Estado", em seu apartamento no Plaza Hotel, onde se encontrava hospedado desde segunda-feira última. Pergunta: Que acha o senhor da sugestão do ministro da Justiça de exigir-se diploma de curso superior como prova de capacidade intelectual aos candidatos a postes eletivos? Resposta: entendo que, em princípio, o homem que pretenda uma função pública, ainda que eletiva, deve possuir os requisitos indispensáveis para exercê-la. Evidentemente, entre esses quesitos se inclui a sua capacidade intelectual.
 
CÔNSUL: REJEITADA EXIGÊNCIA DOS SEQUESTRADORES
O governo argentino rejeita categóricamente a proposta do grupo subversivo que sequestrou um cônsul paraguaio na Argentina, de trocá-lo por dois guerrilheiros detidos em Buenos Aires, anunciou esta noite à imprensa o ministro do Interior, general Francisco Imaz. O ministro havia participado de uma dramática reunião de duas horas com o chefe de polícia, general Mário Fonseca, com o ministro de Relações Exteriores, e com o subsecretário da Justiça. Ao término das deliberações, Imaz anunciou que a troca será impossível porque um dos detidos exigidos em troca pelos extremistas está sendo processado por delitos comuns.

Escrito por:

Do Correio