Publicado 28/02/2020 - 09h58 - Atualizado 28/02/2020 - 09h58

Por Alenita Ramirez

A expectativa do IFSP é concluir as obras esta semana e retomar as aulas na próxima segunda-feira

Matheus Pereira/AAN

A expectativa do IFSP é concluir as obras esta semana e retomar as aulas na próxima segunda-feira

Problemas no fornecimento de energia elétrica do prédio levaram o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), em Campinas, a suspender as aulas por tempo indeterminado. A medida foi tomada ontem, segundo comunicado no site do órgão, em razão da "instabilidade no sistema elétrico da unidade". A expectativa é que as aulas sejam retomadas na segunda-feira.
A escola usa atualmente a mesma energia fornecida à empresa responsável pela obra durante a construção do prédio. Na época, foi destinada para a obra a potência de 80 ampères, entretanto, o projeto elétrico estabelecia o abastecimento local com 500 ampères. Porém, a mudança do padrão ainda não foi realizada pela CPFL Paulista porque o sistema está fora das normas estabelecidas pela Agência nacional de Energia Elétrica (Aneel).
A unidade campineira conta com mil alunos distribuídos em três períodos: manhã, tarde e noite. O ano letivo teve início no dia 4 deste mês, mas entre os dias 16 e 20 as quedas de energia começaram a se intensificar. Os alunos chegaram a ficar dois dias sem aulas. Pais de alunos, que participaram de reunião convocada pela direção, chegaram a tirar fotos do estado da ligação provisória. "Está pior do que imaginava. Fios derretidos, emendas mal feitas, uma colcha de retalhos para virar gambiarra", descreveu um pai.
O prédio foi inaugurado em julho do ano passado, no distrito do Campo Grande, e custou aos cofres públicos cerca de R$ 16 milhões. Antes, ele funcionava nas dependências do CTI Renato Archer, na região dos Amarais. Na época, apenas 110 alunos, distribuídos em três turmas (uma matutina e duas noturnas) foram transferidas para o novo prédio. "O Campus Campinas teve problemas com os cabeamentos de energia, porém, a empresa responsável já está fazendo os reparos e provavelmente ainda hoje a energia seja restabelecida", citou na semana passada a assessoria de imprensa do Instituto.
Por conta das quedas de energia, até mesmo o laboratório de informática ficou sem uso para evitar problemas maiores. O Correio Popular apurou que a CPFL Paulista se recusa a ligar o padrão de energia na escola devido ao projeto de construção do prédio, que estaria desatualizado. O projeto data de 2015. Como a empresa responsável pela obra já fez a entrega do prédio para o IFSP, gerou-se um impasse.
Em razão do cheiro de queimado sentido por alunos e funcionários, a direção da unidade, segundo fontes do Correio, solicitou para a diretoria de informação e expansão do instituto, em São Paulo, um laudo técnico que garanta a segurança de todos no local. Em nota publica no site, o instituto alegou que os reparos, que começaram antes do Carnaval ainda não foram concluídos e que vai aguardar uma inspeção com laudo técnico para saber quais espaços poderão ser utilizados. O IFSP afirmou ainda que as aulas serão repostas e que na próxima semana se reunirá para esclarecer o que será feito.
A CPFL Paulista informou que a responsabilidade pela adequação do projeto elétrico do local dentro dos padrões exigidos pela companhia é do órgão público e que após a realização dos procedimentos por parte do Instituto, a companhia agendará uma nova inspeção técnica e que, se aprovada, então procederá os trabalhos para a ligação da energia. A reportagem tentou por contato com a assessoria de imprensa do IFSP, mas não obteve retorno.

Escrito por:

Alenita Ramirez